Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Metal amarelo

Ouro tem primeiro lucro semanal em quatro, recuperando-se de menos de US$ 1.700

12 março 2021 - 18h13Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - O ouro conseguiu registrar seu primeiro lucro semanal em quatro na sexta-feira (12), recuperando-se de menos de US$ 1.700 a onça, apesar de uma alta de 13 meses nos rendimentos dos títulos dos EUA e de uma alta do dólar que deveria ter mantido o metal amarelo mais baixo.

O ouro para entrega em abril na Comex de Nova York fechou em alta de US$ 2,80, ou 0,2%, em US$ 1.719,80 a onça depois de cair anteriormente para US$ 1.696,65, quebrando o suporte chave de US$ 1.700.

Para a semana, porém, o contrato futuro de ouro de referência ganhou US$ 21,30, ou 1,3%. Foi a primeira semana positiva para o ouro na Comex, após três semanas anteriores de perdas que deixaram as posições compradas nos metais amarelos cerca de 8% mais pobres.

O preço à vista do ouro, no qual os gestores de fundos às vezes confiam para obter orientação mais do que nos futuros, estava em US$ 1.724,49 por volta das 17h56 (horário de Brasília), negociando estável no dia. A mínima intradiária do ouro à vista foi de US$ 1.699,28.

O retorno do ouro abaixo de US$ 1.700 foi um tanto espetacular, conforme os rendimentos da nota do Tesouro dos EUA a 10 anos dispararam para 1,64%, o maior valor desde fevereiro de 2020.

O Índice Dólar - que compara o dólar contra as seis principais moedas - também subiu, aproximando-se do nível de 92.

“Embora o dólar não esteja caindo, os rendimentos podem estar exagerados por enquanto, em algum tipo de modo de consolidação, e acho que o ouro está reconhecendo isso”, disse Philip Streible, analista e corretor da Blueline Futures em Chicago.

"Além disso, o ouro está extremamente leve agora, pois é muito odiado. E quando você tem níveis tão extremos de pessimismo, muitas vezes você vê pontos de virada críticos no mercado.”

A recuperação do ouro na sexta-feira também coincidiu com o reconhecimento dos mercados de que os Estados Unidos podem estar entrando em uma nova era de inflação com o presidente Joe Biden sancionando na quinta-feira seu projeto de lei da Covid-19 de US$ 1,9 trilhão. O pacote de estímulo visa vacinar toda a população adulta do país antes do Dia da Independência, em 4 de julho, ajudar estados e negócios e colocar dinheiro nos bolsos dos americanos, além de encontrar trabalho para eles.

Os rendimentos dos títulos vêm atingindo altas pré-pandêmicas desde o mês passado com o argumento de que a recuperação econômica nos próximos meses poderia superaquecer, levando a uma espiral inflacionária, já que o Federal Reserve insistiu em manter as taxas de juros próximas a zero.

O dólar, que deveria cair em um ambiente de temores elevados de inflação, também se recuperou na mesma lógica de recuperação econômica descontrolada. A posição do dólar como um porto seguro, devido ao seu status de moeda de reserva, também levou a novas posições longas sendo construídas em dólar.

Os preços do ouro, por sua vez, caíram 2,7% em janeiro e continuaram caindo 6% em fevereiro. Para março, eles caíram cerca de 0,5% no acumulado do mês.

Isso apesar da renda pessoal dos EUA ter crescido 10% em janeiro, superando as previsões, depois de cheques de US$ 600 enviados para a maioria dos americanos pelo antigo governo Trump sob um pacote anterior de estímulo da Covid-19 de US$ 900 bilhões.

Considerado por décadas como um ativo obrigatório sempre que há preocupações com pressões de preços, o ouro tem sido sistematicamente impedido de desempenhar esse papel por bancos de Wall Street, fundos de hedge e outros atores que venderam o metal enquanto aumentavam os rendimentos dos títulos dos EUA e o dólar em vez disso. O Bitcoin, um ativo que mal consegue provar seu valor intrínseco, também surgiu como um ativo contrário, muitas vezes subindo às custas do ouro.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: