Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Commodities

Ouro sobe 8% em maio, o melhor em 10 meses

O ouro para entrega em junho na Comex de Nova York encerrou as negociações de sexta-feira em alta de ou 0,4%, a US$ 1902,5 a onça

28 maio 2021 - 18h06Por Investing.com

Por Barani Krishnan, do Investing.com - O ouro saltou para mais de US$ 1.900 a onça na sexta-feira (28), cruzando efetivamente a linha de chegada para maio com um ganho de quase 8% que deu aos comprados no metal amarelo seu melhor retorno em 10 meses.

“O ouro teve uma boa semana e, embora a alta pareça estar dando uma pausa, parece que pode ser apenas temporária”, disse Ed Moya, analista da plataforma de negociação online OANDA.

“O verdadeiro teste para o ouro será após os próximos meses de relatórios de alta inflação e se tivermos alguns relatórios de payroll surpreendentemente melhores do que o esperado”, disse ele, referindo-se aos números mensais de empregos dos EUA, que têm estado voláteis desde fevereiro.

Um desses relatórios de inflação - PCE - que é o indicador de inflação observado de perto pelo Federal Reserve, saltou 3,6% no ano até abril, mostraram dados do Bureau of Economic Analysis.

A leitura mais alta do PCE ajudou o ouro, que normalmente é visto como uma proteção contra a inflação, a recuperar sua posição irregular de US$ 1.900.

O ouro para entrega em junho na Comex de Nova York encerrou as negociações de sexta-feira em alta de US$ 6,80, ou 0,4%, a US$ 1902,5 a onça.

O contrato de ouro da Comex mais ativo, para agosto, também subiu US$ 6,80 no dia, fechando em US$ 1.905,30.

Na semana, ambos os contratos subiram cerca de 1%, enquanto no mês subiram cerca de 8% - o maior ganho mensal desde julho de 2020.

Se tudo seguir igual, um ambiente inflacionário mais alto é bom para o ouro, que é visto como a melhor reserva de valor em tempos de problemas financeiros e políticos.

No entanto, nos últimos meses, os rivais do ouro, o dólar e os rendimentos dos títulos dos EUA, subiram com sinais de inflação em alta, já que os investidores apostam que o Fed aumentará as taxas mais rápido do que o previsto - algo contra o que o banco central se comprometeu. Tal especulação desencadeou vendas de ouro que o levaram para uma mínima de quase 11 meses abaixo de US$ 1.674, antes de um recuo nos rendimentos e no dólar ajudar o metal amarelo a voltar para US$ 1.900.

O Fed reconhece as pressões de preços decorrentes de gargalos nas cadeias de abastecimento dos EUA que lutam para lidar com a demanda em uma economia que reabre após meses de supressão da pandemia.

O Fed tem tido como meta uma inflação anual de 2% na última década, mas mal alcançou esse nível, com os críticos atribuindo o descompasso ao seguimento obstinado do banco central ao PCE - um indicador manso desprovido de custos de alimentos e energia, o mais volátil componentes da inflação.

Por outro lado, o IPC, que inclui alimentos e energia, registrou crescimento de 4,2% em abril, seu maior aumento em quase 13 anos, após intensos aumentos de custos em uma economia em rápida recuperação da pandemia do coronavírus.

Os preços de quase tudo, desde casas até a madeira usada para construí-las, dispararam nos últimos meses, levando os economistas a acreditar que o crescimento da inflação em 2021 poderia ser o maior em 35 anos.

Tags: comex, EUA, FED, OANDA, Ouro

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: