Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Commodities

Ouro flerta com US$ 1.750 com recuo de rendimentos de títulos dos EUA e dólar

Os contratos futuros de ouro de referência na Comex de Nova York fecharam em alta de US$ 14,20, ou 0,8%, a US$ 1.743 a onça

06 abril 2021 - 18h32Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - O ouro flertou com um retorno para US$ 1.750 a onça na terça-feira (6), com os rendimentos do Tesouro dos EUA e o dólar recuando das altas recentes.

Os contratos futuros de ouro de referência na Comex de Nova York fecharam em alta de US$ 14,20, ou 0,8%, a US$ 1.743 a onça, após uma máxima na sessão de US$ 1.746,55.

A última vez que os futuros da Comex chegaram perto de testar o nível de US$ 1.750 foi em 22 de março, quando chegaram a US$ 1.747. Isso fez com que o pico de terça-feira fosse o mais alto em duas semanas.

O preço à vista do ouro subia US$ 15,57, ou 0,9%, para US$ 1.743,73 no final da tarde em Nova York. As movimentações em ouro à vista são essenciais para os gestores de fundos, que às vezes confiam mais nelas do que em futuros para obter orientação.

O teste de US$ 1.750 é crítico para o ouro em sua tentativa de retornar ao nível de US$ 1.800 que abandonou em 25 de fevereiro.

“O ouro está começando a parecer bom novamente, à medida que os rendimentos do Tesouro continuam a lutar, apesar do crescente otimismo para a recuperação econômica global”, disse Ed Moya, analista de mercado da corretora online OANDA.

"O fundo do poço está claramente para trás para o ouro, mas um movimento forte em forma de V para cima é improvável, já que os rendimentos do Tesouro irão subir."

O ouro teve um de seus melhores ralis em meados de 2020, quando subiu das mínimas de março de menos de US$ 1.500 para atingir um recorde de quase US$ 2.100 em agosto, respondendo às preocupações inflacionárias desencadeadas pelo primeiro alívio fiscal dos EUA, de US$ 3 trilhões, aprovado para combater os efeitos da pandemia do coronavírus.

Avanços no desenvolvimento de vacinas desde novembro, junto com o otimismo em relação à recuperação econômica, no entanto, forçaram o ouro a fechar as negociações de 2020 a pouco menos de US$ 1.900.

Desde o início deste ano, a performance do metal amarelo piorou, apesar da administração Biden emitir outro pacote de alívio de US$ 1,9 trilhão. A Casa Branca também divulgou no mês passado um plano separado de gastos com infraestrutura de cerca de US$ 2 trilhões.

Apesar da desvalorização esperada com todas essas medidas de alívio, o dólar subiu até agora às custas do ouro, que se desviou do território do mercado de baixa pelo menos duas vezes neste mês, quando perdeu 20% em relação às altas recorde de agosto.

Os rendimentos do dólar e dos títulos subiram neste ano com o argumento de que a recuperação econômica dos EUA pós-pandemia pode exceder as expectativas, levando a temores de inflação em espiral, já que o Federal Reserve insiste em manter as taxas de juros próximas a zero.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: