Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Metal amarelo

Ouro encerra a pior semana desde novembro com pancada do Bitcoin e dos Treasuries americanos

08 janeiro 2021 - 16h39Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - A expectativa era que 2021 fosse um ano brilhante para o ouro. Embora ainda possa ser assim, a primeira semana do ano está se revelando dolorosa para os comprados no metal amarelo, atordoados com a pior perda semanal desde novembro.

Os preços futuros e à vista do ouro, que refletem as negociações em ouro em tempo real, perderam mais de US$ 100 a onça na semana, ou quase 3%.

A queda veio quando os investidores retiraram dinheiro do paraíso para investir nos rendimentos do Tesouro dos EUA, que subiram para as máximas de março de 2020. Isso lançou uma corda de salvamento para o desgastado Índice Dólar - o comércio contrário ao ouro - que subiu acima do nível-chave de 90.

Alguns saíram do metal para perseguir recordes de alta do (bitcoin) - que se tornou o queridinho dos especuladores do mundo todo, atraindo tanta obsessão quanto a Tesla ({{NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34) na Nasdaq.

“O interesse institucional pelo bitcoin está começando a realmente prejudicar as perspectivas de longo prazo para o ouro”, disse Craig Erlam, analista da corretora online OANDA. “A bolha do bitcoin vai estourar em algum momento nos próximos meses, se não antes, mas até então o ouro está perdendo o status de espinha dorsal de ativos de alto valor.”

O ouro para entrega em fevereiro na Comex de Nova York caiu US$ 80,55, ou 4,2%, no dia, para negociação a US$ 1.833,05 a onça às 15h24, horário de Brasília. Uma semana atrás, o contrato do ouro para fevereiro pairava em US$ 1.946. A queda de US$ 110 na semana foi a maior para o metal desde que a Pfizer (NYSE:PFE) anunciou a eficácia de 95% em suas vacinas contra a Covid-19, que de repente se tornou uma virada de jogo no combate à pandemia.

O colapso desta semana foi ainda mais incomum, visto que ocorreu quando o relatório mensal de emprego nos EUA mostrou uma perda de 140.000 empregos em dezembro - a primeira queda desse tipo desde abril. Normalmente, quando os relatórios de empregos são ruins, o ouro atua como um porto-seguro.

Desta vez, porém, a narrativa foi diferente - até ridícula - para os crentes em ouro.

A história na sexta-feira foi que com as três casas legislativas - ou seja, a Casa Branca, a Câmara dos Representantes e o Senado - ficando sob o controle do Partido Democrata, o presidente eleito Joe Biden terá "estabilidade" de governo que dilui a necessidade de tomar cobertura em ativos seguros como o ouro.

Não importa que o novo presidente tenha insinuado que sua primeira ordem de negócios poderia ser a emissão de cheques de US$ 2.000 para cada americano atingido pela pandemia do coronavírus.

Biden também disse que planeja lançar pelo menos dois pacotes de estímulo mais abrangentes que podem adicionar trilhões à dívida federal dos EUA, já estimada em US$ 3,8 bilhões para 2020.

Em tempos normais, o impacto combinado de tais gastos sobre o dólar logicamente tornaria o ouro um hedge natural.

Mas esses são tempos extraordinários em que a lógica é jogada pela janela. Os rendimentos do Tesouro saltaram 3% no dia e 21% na semana - o maior desde a semana encerrada em 7 de agosto, quando uma recuperação semelhante em títulos matou a alta de US$ 2.000 do ouro. O metal amarelo nunca recuperou sua glória desde que caiu do recorde de quase US$ 2.090 naquela semana.

“Há especulações de que os investidores da ETF estão prestes a abandonar o comércio de refúgio seguro, já que a situação política dos EUA verá estabilidade com o presidente eleito Biden e à medida que os EUA começarem a acelerar a distribuição da vacina”, acrescentou Erlam, da OANDA. “Alguém grande ou um fundo de hedge está abandonando sua aposta em ouro e isso pode repercutir ainda mais.”

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: