Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Metal amarelo

Ouro afunda novamente com a queda da maioria dos mercados

O ouro para entrega em abril caiu US$ 20,25 na sessão de sexta-feira, ou 1,2%, para US$ 1.712,05 a onça na Comex de Nova York às 11h51 (horário local), após cair para US$ 1.705,75

29 março 2021 - 13h55Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - Os preços do ouro despencavam 1% na segunda-feira (29), abrindo novos caminhos mais baixos após uma semana de negociações estáveis, enquanto os participantes do mercado tentavam descobrir uma direção clara para o metal amarelo em meio à alta dos rendimentos e do dólar.

O ouro para entrega em abril caiu US$ 20,25 na sessão de sexta-feira, ou 1,2%, para US$ 1.712,05 a onça na Comex de Nova York às 11h51 (horário local), após cair para US$ 1.705,75. Foi a maior queda do ouro na Comex em um dia desde 18 de março.

O preço à vista do ouro, em que os gestores de fundos às vezes confiam para direção mais do que os futuros, caiu US$ 21,03, ou 1,2%, para US$ 1.711,66, após uma mínima intradiária de US$ 1.706,90.

Os rendimentos da Nota do Tesouro de 10 anos dos EUA se aproximaram do nível de 1,7%, enquanto o Índice Dólar se aproximou do nível 93, aumentando a pressão sobre o ouro. A maioria das outras commodities, junto com o Dow, o S&P 500 e o Nasdaq de Wall Street, também caíram.

“Nem os 10 anos nem o dólar podem ser considerados ameaçadoramente altos para o dia, mas o ouro não teve um movimento considerável em nenhuma direção na semana passada, então o viés de redução agora é provavelmente exagerado”, disse Philip Streible , estrategista de metais preciosos da Blueline Futures em Chicago.

“O ouro pode cair abaixo do suporte de US$ 1.700, mas deve se recuperar.”

Os touros do ouro tentaram, sem sucesso, nas últimas duas semanas, ultrapassar o nível médio de US$ 1.700, que seria crítico para um retorno ao preço de US$ 1.800.

Nas negociações da semana passada, os preços do ouro passaram por vários obstáculos antes de se estabilizarem ligeiramente abaixo de onde estavam há uma semana. Mais importante ainda, o mercado não atingiu o teto-chave de US$ 1.750 por onça, apesar de ter chegado a menos de US$ 4 de diferença.

Há muito associado a títulos como porto seguro, reserva de valor e proteção contra inflação, o ouro perdeu essas conotações há pelo menos seis meses, caindo especialmente quando o hype do mercado sobre a inflação fez os rendimentos do Tesouro dispararem.

O metal amarelo demonstrou a fé depositada nele pelos investidores durante o auge da pandemia, subindo dos pontos baixos de março de 2020 de menos de US$ 1.500 para atingir um recorde de quase US$ 2.100. Desde então, o metal caiu, entrando brevemente em um mercado baixista, quando perdeu até 20%, atingindo mínimas abaixo de US$ 1.675.

Embora o ouro tenha escapado desse buraco, ele ficou preso abaixo de US$ 1.750, comportando-se mais como um paciente em suporte de vida do que em um ativo em caminho claro para a recuperação.

Tags: comex, dólar, EUA, Ouro

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: