domingo, 28 de novembro de 2021
Charge

Mario Draghi salvou o euro. Ele pode salvar a Itália?

17 fevereiro 2021 - 18h39Por Investing.com
Campanha Black Friday 2021 - Warren

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Depois de salvar o euro de um ataque especulativo há oito anos, Mario Draghi aceitou um desafio ainda maior - salvar a Itália de si mesma.

Os ativos italianos estão em disparada desde que seu nome foi mencionado pela primeira vez como o candidato mais provável para substituir Giuseppe Conte como primeiro-ministro à frente de um governo de unidade nacional. O FTSE MIB aumentou cerca de 9,5% desde o início do mês, em comparação com 5,7% do Stoxx 600 (o desempenho superior é ainda maior se você retirar os componentes italianos do último).

As ações de bancos italianos tiveram um desempenho ainda melhor, subindo entre 10% e 20%, já que os investidores, antes cautelosos com o risco do país italiano, adotaram alguns dos títulos soberanos de maior rendimento da Europa.

Os rendimentos da dívida do governo italiano a 10 anos caíram drasticamente, e o spread infame sobre o equivalente alemão, um indicador aproximado do estresse sistêmico na zona do euro, caiu para o nível mais baixo de todos os tempos.

A fé em "Super Mario" obviamente não diminuiu. Mas isso é garantido?

Os desafios à frente são assustadores: primeiro, há a pandemia, que ceifou mais vidas na Itália do que em qualquer outro lugar na União Europeia (94.000, de acordo com Johns Hopkins) e que quase certamente empurrou o país para uma recessão de dois dígitos: o produto interno bruto contraiu 2% no último trimestre e os bloqueios devem provavelmente mantê-lo em território negativo nos três meses atuais. O ministro da Saúde, Roberto Speranza, foi visivelmente um dos poucos ministros a manter seu cargo quando Draghi anunciou seu gabinete no fim de semana.

Depois, há a questão das reformas estruturais, que Draghi costumava recomendar todos os meses em suas coletivas de imprensa em Frankfurt. Sem elas, dizem os analistas, é apenas uma questão de tempo até que o crescimento cronicamente fraco da Itália e sua montanha impressionante de dívidas de cerca de 2,5 trilhões de euros coloquem a viabilidade da moeda única em questão novamente. A Itália é a terceira maior economia da zona do euro e um membro fundador da UE. Deixar o euro seria um desastre muito maior do que teria sido a perda da Grécia.

“Como a Itália sempre foi o elefante na sala durante as discussões sobre a viabilidade do projeto do euro, o desempenho deste governo ecoará muito além de suas fronteiras”, disseram analistas do JPMorgan liderados por Bruce Kasman em uma nota aos clientes essa semana.

A lista de afazeres de Draghi é longa: os sistemas tributário e judicial permanecem maduros para a simplificação, assim como as regras de planejamento local; o sistema financeiro continua entupido de ativos podres devido à burocracia. As autoridades mostraram uma engenhosidade notável ao tentar limpar os balanços dos bancos nos últimos anos, mas o problema persistirá enquanto a falência levar sete anos para ser processada.

A medida do sucesso de Draghi nessa área pode muito bem ser a venda do Banca Monte dei Paschi di Siena (MI:BMPS), o "banco zumbi" mais notório da zona do euro, que está sob ameaça de ser liquidado pelo BCE se o governo não conseguir encontrar um comprador para ele dentro de semanas.

O problema, como Draghi e todos os outros que tentaram governar a Itália sabem, é que a reforma cria mais perdedores do que vencedores no curto prazo, e que perdedores em potencial são adeptos do uso de um sistema com múltiplos controles e balanços para frustrar qualquer tentativa de mudança o status quo.

Para Draghi ter sucesso, ele precisa que as facções em seu governo abandonem coletivamente alguns dos constituintes que os colocaram no cargo. Esse talvez seja o maior desafio de todos. Ao conceder cargos de gabinete a todos os partidos que apoiam seu governo, ele pelo menos tornou mais difícil para os partidos escaparem da responsabilidade - e do descontentamento popular - pelo que deve acontecer. A questão-chave, e sem resposta por enquanto, é por quanto tempo Draghi pode manter a disciplina e a unidade enquanto promove a reforma.

Os mercados não terão que esperar muito para ver quanto Draghi está disposto a arriscar: o país tem que apresentar um plano de "Recuperação e Resiliência" à Comissão Europeia até abril para desbloquear mais de 200 bilhões de euros em financiamento do Fundo de Recuperação da UE. Isso precisa mostrar que a Itália pode, em última instância, superar seus problemas atuais. Para isso, Draghi precisará mobilizar toda a boa vontade que possui não só na Itália, mas também nos mercados financeiros e nas capitais europeias. O resultado está longe de ser garantido.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content