quarta, 06 de julho de 2022
[IPE NECTON - SPACENOW DESKTOP]
Prévia

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira (12)

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros

12 julho 2021 - 09h16Por Investing.com
IPE - NECTON - BILBOARD TOPO 2 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS E DEMAIS]
Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu  Foto: Ralph Orlowski/ReutersChristine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu Foto: Ralph Orlowski/Reuters - Crédito: Ralph Orlowski/Reuters

Por Geoffrey Smith e Ana Julia Mezzadri, da Investing.com - Os banqueiros centrais em todo o mundo estão assustados com o último aumento nos casos de Covid-19. Os EUA relataram o maior número de casos em dois meses no fim de semana.

Os reguladores da China ferem Didi e outras grandes empresas de Internet novamente, e o petróleo cai depois que os dados da CFTC mostram que o mercado está ficando seriamente desequilibrado.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na segunda-feira, 12 de julho.

[NECTON IPE -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

1. Bancos centrais atentos ao aumento de casos de coronavírus
Os bancos centrais mundiais estão soando mais cautelosos sobre o caminho da recuperação econômica, já que a última onda da Covid-19 ameaça forçar outra rodada de medidas restritivas.

O presidente do Federal Reserve (Fed) de Richmond, Tom Barkin, alertou em uma entrevista ao The Wall Street Journal que o mercado de trabalho dos EUA ainda não é forte o suficiente para justificar uma redução nas compras de títulos, aumentando as preocupações expressas por Mary Daly, presidente do Fed de São Francisco, na semana Anterior.

No domingo, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse à Bloomberg que seu principal programa de compra de títulos é provável que seja estendido além de março do próximo ano, embora com um nome diferente para apaziguar falcões liderados pelos alemães que querem um fim rápido.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

Durante a noite, os bancos centrais de Indonésia e Tailândia, dois países que observaram um aumento acentuado nos casos de coronavírus, alertaram que provavelmente perderão suas previsões de crescimento para este ano.

2. As turbulências políticas seguem em foco no Brasil
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ameaça não realizar as eleições presidenciais de 2022 caso o voto impresso não seja adotado. O presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou que o Congresso repudia qualquer especulação sobre a não realização da eleição e garantiu que será realizada.

No fim da semana passada, uma pesquisa do Datafolha revelou que o ex-presidente Lula teria vantagem de 58% contra 31% de Bolsonaro em um eventual segundo turno das eleições ano que vem. Outra pesquisa da mesma instituição revelou que 70% dos brasileiros veem corrupção no governo Bolsonaro. Ainda, a maioria dos entrevistados apoia a abertura de um processo de impeachment contra o presidente.

[NECTON IPE -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

No calendário econômico, foi divulgado nesta manhã o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo. O índice registrou alta de 0,86%, contra 0,81% no período anterior.

3. Reguladores chineses ferem empresas
Os reguladores chineses anunciaram no fim de semana que submeterão todas as empresas com mais de 1 milhão de usuários a uma revisão de suas políticas de dados antes de aprovar suas listagens nos EUA, efetivamente concedendo a si mesmas um veto sobre todas as futuras listagens de tecnologia chinesa em os EUA

A medida é a mais recente para aprofundar o fosso entre os mercados de capitais chinês e americano, no que parece ser uma repressão combinada e multifacetada ao poder econômico das maiores empresas de tecnologia da China.

A Administração do Ciberespaço da China disse na sexta-feira que encomendou mais 25 aplicativos operados pela Didi Global (NYSE:DIDI) a serem retirados das lojas de aplicativos locais.

Os reguladores antitruste, entretanto, confirmaram que iriam bloquear uma fusão planejada de duas unidades da Tencent Holdings (OTC: TCEHY), o que teria cimentado o domínio da empresa no mercado de jogos local. Eles também estão pressionando o braço musical da Tencent (NYSE:TME) para abrir mão dos direitos de monopólio sobre certos catálogos de músicas.

4. Ações devem abrir mistas
Os mercados de ações dos EUA devem abrir mistos mais tarde, conforme os temores sobre a disseminação da Covid-19 pesam sobre o sentimento em relação à "reabertura" das jogadas que dominaram o segundo trimestre.

Os EUA registraram seu maior total diário de novos casos desde maio no sábado, conforme a variante Delta altamente transmissível continua a fazer incursões, em particular nos estados com as taxas de vacinação mais baixas, principalmente nas regiões Centro-Oeste e Sul do país.

Às 08h33 (horário de Brasília), os futuros do Dow Jones caíram 125 pontos, ou 0,36%, enquanto os futuros do S&P 500 recuavam 0,18%. Os futuros da Nasdaq tiveram desempenho superior com uma alta de 0,22%, conforme os investidores mudaram de ações de valor para ações de crescimento.

O EWZ, principal ETF que replica o Ibovespa em Nova York, caía 0,89% na pré-abertura.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem Walt Disney (NYSE:DIS) (SA:DISB34), depois que seu filme "Viúva Negra" arrecadou US$ 218 milhões em seu fim de semana de estreia.

Cerca de US$ 60 milhões desse valor foram gerados pela distribuição por meio do canal de streaming Disney+. Também em foco estarão a Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34) e a BioNTech (NASDAQ:BNTX) (SA:B1NT34), cujos representantes se reunirão com os reguladores dos EUA mais tarde para discutir seus planos de distribuir mais uma dose de sua vacina Covid-19.

Também em foco mais tarde estará a Virgin Galactic (NYSE:SPCE), que ultrapassou um marco importante no caminho para o turismo espacial comercial no fim de semana. O primeiro vôo de teste da tripulação completa da empresa - inevitavelmente levando seu fundador bilionário Richard Branson - ocorreu sem nenhum soluço significativo no domingo.

As ações da Virgin Galactic, que tiveram forte queda e no início deste ano depois que Branson e o presidente Chamath Palihapitiya venderam suas posições, avançavam mais de 5,53% no pré-mercado.

5. Petróleo cai sobre medos sobre posicionamento longo prazo
Os preços do petróleo caíram em meio a preocupações com o crescimento econômico, que está enfraquecendo em um momento em que alguns indicadores de mercado começam a parecer preocupantemente desequilibrados.

A proporção de posições compradas e vendidas em futuros de petróleo bruto informada pela Commodity Futures Trading Commission subiu para 23 na semana até 15 de junho no início do ano.

Às 8h39, os contratos futuros do petróleo WTI caíam 1,42%, a US$ 73,51 o barril, enquanto os futuros do petróleo Brent recuavam 1,32%, a US$ 74,56 o barril.

O impasse contínuo nas negociações para reviver o acordo nuclear com o Irã pareceu ter tido pouco impacto.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content