quarta, 19 de janeiro de 2022
[Square Banner - Mobile Topo 2] [300x250] [mobile] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
[SpaceNow Desktop] [200x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
[SpaceNow Mobile] [150x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
Prévia

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira (6)

Veja o que movimenta os mercados hoje

06 julho 2021 - 09h16Por Investing.com
[Billboard Topo 2] [970x250] [pagina-inicial] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
O presidente Jair Bolsonaro em Sessão Solene destinada à inauguração da 3ª Sessão Legislativa Ordinária da 56ª LegislaturaO presidente Jair Bolsonaro em Sessão Solene destinada à inauguração da 3ª Sessão Legislativa Ordinária da 56ª Legislatura - Crédito: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por Geoffrey Smith e Ana Julia Mezzadri, da Investing.com - Os preços do petróleo bruto atingiram a maior alta em sete anos, já que a reunião da Opep terminou em desordem. As ações da Didi Global caíram 20% depois que o regulador do ciberespaço da China retirou seu aplicativo de lojas em todo o país.

A pesquisa de produção não-manufatureira do ISM será divulgado hoje, enquanto os dados alemães sugerem que a escassez de chips está afetando fortemente o setor automotivo. E o REvil, o grupo por trás do último grande ataque de ransomware, exige US$ 70 milhões para ir embora.

No Brasil, o mercado segue atento ao cenário político, com acusações de corrupção e pesquisas sugerindo a vitória de Lula nas eleições presidenciais de 2022 elevando a incerteza no prêmio de risco dos ativos brasileiros.

[04] [Square Detalhe Notícia] [300x250] [geral] Melhores investimentos 2022

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na terça-feira, 6 de julho.

1. Aumento da incerteza
O Ibovespa fechou em queda de 0,55% na segunda-feira, aos 126.920 pontos, refletindo o aumento da incerteza no prêmio de risco dos ativos brasileiros seguindo as crescentes incertezas políticas. A aversão ao risco foi refletida também no dólar, que chegou aos R$ 5,0921.

Em Brasília, os olhos seguem voltados para as acusações de corrupção nas rachadinhas da família Bolsonaro e no combate à pandemia, sobretudo na compra de vacinas. Tudo isso tem contribuído para aumentar a impopularidade do governo Bolsonaro - pesquisas já sinalizam para uma possível vitória de Lula nas eleições presidenciais de 2022.

Somam-se a isso, ainda, a proposta de reforma tributária apresentada pelo ministro da Economia, que segue gerando controvérsia nos mercados. A questão fiscal fica também no radar com o anúncio de prorrogação do auxílio emergencial por mais três meses e a elaboração de um novo programa Bolsa Família no fim do ano.

Além da crise hídrica, outro problema potencial de oferta está na ameaça de greve dos caminhoneiros após elevação dos preços do diesel, gasolina e gás de cozinha, válidos a partir de hoje. Os petroleiros também se demonstraram contrários ao reajuste.

2. Petróleo WTI atinge novas máximas com a desordem da Opep
Os preços do petróleo bruto atingiram seu nível mais alto desde 2014, depois que a resistência dos Emirados Árabes Unidos atrapalhou uma proposta russo-saudita de um aumento gradual na produção dos maiores exportadores do mundo.

Por volta das 8h46 (horário de Brasília), os contratos futuros do petróleo WTI estavam em US$ 75,92 o barril, alta de 1,01% em relação ao fechamento de segunda-feira, após chegar próximo a US$ 77 mais cedo. Os contratos futuros do petróleo Brent caíam 0,31%, para US$ 76,92.

A falta de acordo significa que o chamado bloco Opep+ manterá a produção nos níveis atuais em agosto, apesar da demanda crescente de uma economia global em recuperação. No entanto, preços mais altos também trazem o risco de que países individuais rompam o acordo e aumentem a produção unilateralmente, desencadeando outra guerra de preços. Analistas da Goldman Sachs disseram em uma nota aos clientes na terça-feira que consideram este cenário improvável.

Os contratos futuros do primeiro mês subiram mais acentuadamente do que os de prazo mais longo até agora na terça-feira, sugerindo que o mercado espera que barris extras encontrem seu caminho para o mercado de uma forma ou de outra no tempo.

3. Didi e Kanzhun despencam após a queda da China
As ações da Didi Global (NYSE:DIDI) caíam 20% no pré-mercado em uma reação tardia ao movimento das autoridades chinesas no fim de semana para impedir que ganhe novos clientes, aparentemente por preocupação com a coleta de dados pessoais dos usuários.

O Wall Street Journal noticiou na noite de segunda-feira que os reguladores chineses haviam "sugerido" a Didi que atrasasse seu IPO enquanto ele tratava de suas preocupações. No entanto, na ausência de uma proibição formal e sob pressão dos primeiros investidores para deixá-los desinvestir na empresa, a Didi seguiu em frente com seus planos.

A ação dos reguladores não impede que o serviço da Didi seja usado na China por seus clientes atuais, mas o risco de um conflito escalonado com os reguladores provavelmente pesará no preço das ações até que seja resolvido de forma conclusiva. Em outro lugar no pré-mercado, os ADRs na empresa de recrutamento online Kanzhun (NASDAQ: BZ) também caíam mais de 10% depois de alertar que seu aplicativo BOSS Zhipin estava sendo submetido a restrições semelhantes ao aplicativo de Didi.

4. Ações mistas; PMI ISM não-manufaturas no radar
Os mercados de ações dos EUA estão programados para reabrir após o fim de semana do Dia da Independência em tom silencioso, com um olho na divulgação no final da semana das atas da última reunião de política do Federal Reserve.

Por volta das 8h57, Dow Jones Futuros e S&P 500 Futuros tinham leve queda respectiva de 0,11% e 0,05%, enquanto o do Nasdaq Futuros avançava levemente em 0,13%. O EWZ, fundo de índice que replica o Ibovespa em Wall Street, recuava 1,02% na pré-abertura.

As ações que provavelmente estarão em foco incluem o setor de petróleo e gás, com a questão principal sendo se os produtores do petróleo de shale dos EUA serão capazes de responder ao aumento dos preços do petróleo aumentando sua própria produção. Relatórios anedóticos e pesquisas como as do Federal Reserve de Dallas sugeriram que o setor tem lutado para atrair dinheiro novo nos últimos meses e pode ter dificuldade para lucrar com isso.

Às 11h00, o Institute of Supply Management lançará sua pesquisa de produção não-manufatureira para junho.

5. Pedidos de fábricas alemãs mostram pressão de chip no setor automotivo
Os sinais da madrugada para a economia global foram mistos: o banco central australiano disse que irá reduzir o ritmo de compras de ativos, citando a robusta recuperação econômica. A autoridade monetária ainda não espera aumentar sua taxa básica antes de 2024, no entanto.

Na Alemanha, enquanto isso, os pedidos de fábrica em maio caíram mais de 3%, em grande parte devido à fraqueza no setor automotivo. Os números foram um sinal de que a escassez global de chips está finalmente se fazendo sentir na redução dos níveis de vendas e produção.

Separadamente, a Nissan (OTC:NSANY) e a Honda (T:7267) (SA:HOND34) relataram que suas vendas na China caíram entre 16% e 18 % em junho.

Houve notícias melhores do Reino Unido, onde o primeiro-ministro Boris Johnson voltou a se comprometer a acabar com todas as restrições restantes da Covid-19 em 19 de julho, apesar de uma onda de novos casos, principalmente causados pela variante delta do vírus. Com mais da metade dos britânicos adultos totalmente vacinados, a onda de novos casos não resultou - pelo menos até agora - em um aumento acentuado nas internações hospitalares.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content