Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Prévia

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira (8)

Veja o que está movimentando os mercados nesta terça-feira, 8 de junho

08 junho 2021 - 09h20Por Investing.com

Por Peter Nurse e Ana Julia Mezzadri, da Investing.com - O Ibovespa engatou a oitava alta seguida na segunda-feira, em sua maior série de ganhos desde 2018.

Tudo isso parece acontecer a despeito dos dados da Covid-19, que continua fazendo um alto número de vítimas, e da cautela no exterior. Porém, o sentimento de avanço de reformas e privatização dá o ímpeto otimista nos negócios.

Lá fora, Tesla (NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34) perde um executivo-chave logo após encerrar os planos de produção de seu carro sedan. O Bitcoin cai com a saída dos investidores institucionais e as ações perdem, enquanto o plano de impostos corporativos do G-7 enfrenta oposição.

Veja o que está movimentando os mercados na terça-feira, 8 de junho.

1. Ibovespa segue em disparada
Pela primeira vez aos 131 mil pontos, puxado principalmente pelos bancos, o Ibovespa terminou a segunda-feira em sua oitava alta seguida, marcando sua maior série de ganhos desde 2018.

A tendência de alta do principal índice da bolsa de valores brasileira destoa da cautela de mercados do exterior e ignora os ainda altos números da Covid-19 no país, além das perturbações políticas com a CPI da Covid no Senado.

No entanto, os investidores ficam de olho na agenda de reformas, com a promessa do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) de avançar com as reformas tributária e administrativa, disse ontem em evento do Bradesco BBI. Além disso, a Medida Provisória (MP) da privatização da Eletrobras (SA:ELET3) no Senado está no radar dos investidores.

O Brasil registrou na segunda-feira 1.010 novas mortes em decorrência da Covid-19, o que eleva o total de vítimas fatais da doença no país a 474.414, informou o Ministério da Saúde. Também foram contabilizados, de acordo com a pasta, 37.156 novos casos de coronavírus, com o total de infecções no país avançando para 16.984.218.

2. Tesla sofre alguns golpes
A agitação em torno da Tesla parece estar se dissipando, com a fabricante de carros elétricos sofrendo alguns golpes recentemente.

Na segunda-feira, a empresa anunciou que o executivo de longa data Jerome Guillen deixou a empresa. Isso ocorreu após o cancelamento da produção da variante mais cara de seu carro-chefe, o Model S Plaid Plus.

Guillen era um dos quatro principais membros da liderança da Tesla e era visto como chave. Mas houve atrasos na entrega do caminhão comercial semi-elétrico movido a bateria, área da empresa que ele supervisionou nos últimos três meses, em meio a restrições no fornecimento de células de bateria.

Além desses problemas, a concorrência está aumentando.

Globalmente, a Tesla foi a maior vendedora de carros elétricos em 2020, mas está perdendo participação de mercado no importante mercado europeu para os fabricantes nacionais, especialmente a Volkswagen da Alemanha (DE:VOWG_p). A empresa norte-americana viu sua participação no mercado de veículos elétricos cair 10% na Europa no ano passado, apesar de seu mercado ter aumentado 123% no geral.

Na China, o segundo maior mercado da Tesla, os pedidos de veículos caíram quase pela metade em maio em relação a abril, em um contexto de maior fiscalização do governo.

Além disso, a Reuters informou na terça-feira que a Apple (NASDAQ:AAPL) (SA:AAPL34) está em negociações iniciais com algumas empresas chinesas sobre o fornecimento de baterias para seu veículo elétrico.

A Apple ainda não fez um anúncio público sobre seus planos no ramo de automóveis, mas a Reuters relatou anteriormente que a gigante da tecnologia tem trabalhado em tecnologia de direção autônoma e tem como meta para 2024 a produção de um veículo de passageiros.

As ações da Tesla subiam no pré-mercado, mas caíram mais de 14% desde o início do ano. Obviamente, isso parece fraco ao lado dos ganhos de mais de 800% nos últimos três anos, mas cria muito downside!

3. Ações fracas antes de dados de inflação
As ações dos EUA devem abrir de forma moderada na terça-feira, com investidores cautelosos antes da divulgação dos principais dados de inflação.

Às 8h50 (horário de Brasília), o Dow Jones futuros caía 22 pontos, menos de 0,1%, o S&P 500 futuros estava 0,1% mais alto e o Nasdaq 100 futuros subia 0,4%.

Os principais índices foram negociadas em intervalos estreitos neste mês, e na segunda-feira o blue-chip Dow caiu 0,4%, o amplo S&P 500 caiu 0,1%, enquanto o tecnológico Nasdaq Composite teve desempenho superior, ganhando 0,5%.

Os investidores estão relutantes em assumir posições pesadas antes da divulgação dos últimos números da inflação na quinta-feira após o relatório de empregos da última sexta-feira. Enquanto os EUA criaram menos empregos do que o esperado em maio, a taxa de desemprego caiu de 6,1% para 5,8% e houve sinais de que o crescimento dos salários também acelerou.

Economistas esperam que o IPC de maio suba 4,7% em relação ao ano anterior, de acordo com o Investing.com, um salto dos 4,2% de abril, que foi o aumento mais rápido desde 2008.

Este número é um dos últimos dados econômicos importantes antes da próxima reunião do Fed em 15 e 16 de junho, com um grande salto potencialmente levando os funcionários do banco central a preparar os mercados para uma redução gradual de suas compras de ativos.

Nas notícias corporativas, as chamadas “ações meme” deverão estar em foco novamente na terça-feira, após players como GameStop (NYSE:GME), AMC Entertainment (NYSE:AMC) e BlackBerry (NYSE:BB) registrarem ganhos percentuais de dois dígitos na segunda-feira.

A Securities and Exchange Commission anunciou na segunda-feira que está observando os mercados e procurando por quaisquer sinais de má conduta e manipulação, dizendo: "Nós agiremos para proteger os investidores de varejo se violações das leis federais de valores mobiliários forem encontradas."

A Biogen (NASDAQ:BIIB) (SA:BIIB34) também pode estar no centro das atenções depois que as ações da biotecnologia ganharam quase 40% na segunda-feira, devido à aprovação da FDA de seu inovador medicamento para Alzheimer.

4. Investidores institucionais abandonam o Bitcoin
Uma das primeiras críticas às criptomoedas foi o potencial vínculo com a atividade criminosa. Essa narrativa foi amplamente desmascarada, com um relatório de 2021 da Chainalysis, uma empresa de software com sede em Nova York, afirmando que em 2020 a parcela criminosa de todas as atividades de criptomoeda era de apenas 0,34% (US$ 10,0 bilhões em volume de transações).

Dito isso, o preço do Bitcoin, a maior criptomoeda do mundo por capitalização de mercado, caiu cerca de 8% depois que as autoridades americanas anunciaram na segunda-feira que recuperaram quase todo o resgate em Bitcoin pago aos autores do ataque cibernético na Colonial Pipelines no mês passado, que resultou no fechamento do maior gasoduto do país.

A ação sinaliza a capacidade da polícia dos EUA de rastrear criptomoedas e apreender fundos, uma ferramenta potencialmente poderosa no combate a ataques de ransomware.

Um motivo mais significativo para a venda é, provavelmente, a continuação das vendas por investidores institucionais.

De acordo com um relatório da CoinShares, divulgado segunda-feira, os investidores institucionais continuam a reduzir sua exposição à moeda digital, com produtos de investimento em BTC tendo uma saída recorde de US$ 141 milhões na semana passada.

Os dados seguem vendas institucionais pesadas em meio ao colapso dramático do mercado de criptomoedas em maio, com as instituições retirando quase US$ 100 milhões de produtos criptográficos entre 10 e 16 de maio.

O Bitcoin caiu mais de 40% no último mês, mas a criptomoeda ainda está em dia, e mais de 240% maior em relação ao ano passado.

5. Impostos corporativos do G-7 encontram oposição
Não demorou muito para que surgisse a oposição ao plano de impostos corporativos do G-7.

O G-7 concordou no fim de semana em uma taxa mínima de imposto corporativo global como parte de um acordo mais amplo sobre como tributar empresas multinacionais como Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34) e Google (NASDAQ:GOOGL) (SA:GOGL34).

Este acordo será agora submetido ao G-20 nos próximos meses, com a aprovação final - em negociações sob a liderança da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico - necessária em cerca de 140 nações.

Fazer com que todas essas nações se inscrevam será complicado, especialmente porque algumas delas usaram deliberadamente baixas taxas de impostos corporativos para atrair investimentos estrangeiros. No entanto, a principal oposição poderia vir de dentro do próprio G-7.

Vários republicanos do Senado dos EUA rejeitaram o acordo na segunda-feira, levantando questões sobre a capacidade dos EUA de implementar um acordo global mais amplo.

Os ministros das finanças do G-7 concordaram em buscar uma alíquota tributária mínima global de pelo menos 15%, mas o presidente Joe Biden apresentou ao Congresso uma alíquota tributária corporativa de 21% para os lucros das empresas americanas registradas no exterior.

Qualquer discrepância pode significar que as empresas americanas estariam efetivamente pagando uma sobretaxa sobre os lucros de alguns países, o que provavelmente seria difícil de vender para um Congresso profundamente dividido.

"Não haverá apoio republicano para isso e eles terão que fazer isso em uma votação partidária. Isso deve falhar", disse o senador republicano Pat Toomey na Fox Business Network na segunda-feira.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: