quarta, 08 de dezembro de 2021
Destaques do dia

Destaques: Reunião da Opep e fim do rali nas bolsas

30 novembro 2020 - 09h56Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com — OPEP+ inicia dois dias de reuniões para decidir sobre os rumos da política de cortes de produção. Administração Trump adiciona a CNOOC e a SMIC na lista de companhias chinesas marcadas. Índices devem abrir de lado após a Black Friday, enquanto a empresa de teleconferências Zoom divulga o balanço do terceiro trimestre.

Aqui está o que você precisa saber nesta segunda-feira, 30 de novembro.

1. Reunião da OPEP

A Organização dos Países Produtores de Petróleo e aliados começam nesta segunda o primeiro dos dois dias de reuniões que devem ter um forte impacto nos preços do petróleo no curto prazo.

Os preços da commodity subiram com força no último mês com investidores comprando a narrativa de que a chegada das vacinas contra o coronavírus no próximo ano dará mais confiança às pessoas para viajarem após a maior queda no consumo de combustível da história.

O grupo deve decidir se o cenário garante a necessidade do aumento de produção de 1,9 milhão de barris por dia, acertado para 1º de janeiro. Agências de notícias reportaram ao longo do final de semana que há um consenso em postergar o aumento por até três meses tendo em vista a segunda onda do vírus na Europa e nos EUA. No entanto, a recente forte alta dos preços aumentou as chances de alguns membros optarem por elevar a produção.

2. EUA incluem CNOOC e SMIC em lista de empresas mal-vistas

A administração Trump deve adicionar uma das maiores fabricantes de chips do mundo e a maior produtora de petróleo da China na lista de empresas proibidas para negócios nos EUA, de acordo com a Reuters.

A agência de notícias disse no final de semana que o governo quer adicionar a SMIC e a CNOOC à lista de companhias controladas pelo Exército chinês, que já tem 31 outros nomes ranqueados.

A notícia não foi confirmada por nenhum dos governos, mas as ações da CNOOC caíram 14% em resposta.

3. Ações devem fazer pausa após feriado

Os índices acionários americanos devem abrir em queda nesta segunda-feira, com investidores realizando lucros após as altas de novembro.

O Dow Jones Futuros e o S&P 500 Futuros caíam respectivamente 0,34% e 0,13%, enquanto Nasdaq 100 Futuros ia na contramão com alta de 0,31%.

As ações da S&P Global (NYSE:SPGI) (SA:SPGI34) devem ser destaque no pregão após o Wall Street Journal reportar estar próximo de comprar a companhia de dados e análises IHSMarkit (NYSE:INFO) IHSMarkit (SA:I1NF34) por US$ 44 bilhões.

O mercado também deve absorver os relatos de que o final de semana da Black Friday teve forte queda nos gastos na comparação anual. As vendas em shoppings e lojas físicas caíram 50% na base anual, segundo a Adobe Analytics, com 22% de alta das vendas online.

4. Balanço da Zoom

Um dos papéis favoritos dos investidores durante a pandemia, a Zoom Video Communications (NASDAQ:ZM) (SA:Z1OM34) irá divulgar os resultados do terceiro trimestre após o fechado do mercado americano, com expectativa de US$ 0,76 de lucro por ação e de US$ 693 em receita, o que corresponderia à oitava alta consecutiva da empresa de teleconferências.

A ação já subiu 350% desde o início da pandemia, com expectativa de que a mudança nos ambientes de trabalho causada pelo Covid-19 deve ser parcialmente permanente.

Ainda assim, a empresa perdeu ímpeto no último mês com o aumento das expectativas por uma recuperação em 2021.

5. Trump mira Suprema Corte

O presidente Donald Trump disse neste final de semana que deixará a Casa Branca de o Colégio Eleitoral votar em Joe Biden.

No entanto, tanto ele como seu time legal indicaram a intenção de um último apelo à Suprema Corte de que as eleições teriam sido fraudulentas, um pedido negado em 38 de 39 outras cortes pelo país até o momento.

O presidente eleito Joe Biden continua a dar indicações sobre o time econômico da próxima administração americana. Cecilia Rouse deve presidir os conselheiros econômicos, e Neera Tanden deve chefiar o braço de orçamento da pasta. Adewale Adeyemo, que serviu como conselheiro de economia internacional ao governo de Barack Obama, deve servir como assessor de Janet Yellen na Secretaria do Tesouro.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content