Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Destaques do dia

Destaques: Bolsonaro ameaça Petrobras e títulos do Tesouro dos EUA sobem

19 fevereiro 2021 - 09h54Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os rendimentos do Tesouro americano sobem e o dólar cai para novas mínimas contra tudo, desde criptomoedas à libra esterlina, conforme os mercados voltam às ações de crescimento cíclico.

Por aqui, o Ibovespa Futuros ignora o exterior, de olho na Petrobras (SA:PETR4). O petróleo cai com a produção de petróleo do Texas voltando ao normal, e o presidente Joe Biden quer conversar com o Irã.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na sexta-feira, 19 de fevereiro.

1. Ibovespa Futuros na contramão do exterior; Petrobras em foco

O Ibovespa Futuros recuava 0,63% no início do pregão desta sexta-feira, com investidores de olho na Petrobras.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que irá zerar os impostos federais sobre o diesel a partir de 1º de março após o aumento “excessivo” e “fora da curva” dos preços praticados pela estatal. Ele disse que a medida “vai ter consequências”, apesar de não poder interferir na empresa.

O aumento de 15,2% para o diesel e de 10,2% para a gasolina foi o maior da gestão do presidente da estatal, Roberto Castello Branco, segundo o Valor Econômico.

André Perfeito, economista-chefe da Necton, escreveu, em nota, que o presidente estaria flertando “com certo populismo fiscal e faz uma ameaça direta à Petrobras que forçará os investidores para alguma cautela”.

Para os analistas da XP, em cálculo preliminar, o corte de impostos federais sobre o diesel, aos níveis atuais de preço e volume de vendas, representaria uma renúncia de receitas da ordem de R$ 1,5 bilhão por mês.

A jornalista Miriam Leitão, do Grupo Globo, informou em sua coluna na rádio CBN que Bolsonaro pretende demitir o presidente da Petrobras. No entanto, a medida precisa ser aprovada pelo Conselho de Administração da estatal, o que impede uma decisão mais imediata do mandatário brasileiro.

Já as ações dos EUA devem abrir em alta depois de sofrerem um golpe com os dados de pedidos de auxílio-desemprego na quinta-feira, que funcionaram como um lembrete da divergência entre o estado do mercado de ações e o estado atual da economia.

Por volta das 10h00, os futuros do Dow Jones, do S&P 500 futuros e do Nasdaq subiam 0,27%, 0,38% e 0,52%, respectivamente.

2. Busca por ativos cíclicos atingem títulos

Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA voltaram ao nível mais alto em um ano, com os investidores apostando novamente em uma política fiscal e monetária frouxa, refletindo a economia dos EUA ao longo deste ano.

Às 8h30, o rendimento do título de 10 anos era de 1,99%, um total de 118 pontos base acima do rendimento de dois anos. O spread entre os dois não tem sido tão grande desde 2017. Curvas de rendimento íngremes são normalmente associadas a períodos de crescimento robusto, e a configuração atual coincide com as previsões de PIB dos EUA chegando a 5% este ano.

A probabilidade de a política permanecer frouxa ao longo do ano foi impulsionada pelos dados de pedidos de auxílio-desemprego, que mostraram a extensão da folga no mercado de trabalho. As reclamações iniciais aumentaram para 861.000 na semana passada.

O calendário de dados dos EUA está suave na sexta-feira, com apenas as vendas de casas existentes e um discurso do presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, dignos de nota.

3. Libra e dólar australiano atingem novas altas, apesar de vendas no varejo mais fracas

Os mesmos fatores que impulsionam os rendimentos mais altos também empurraram o dólar para baixo nos mercados de câmbio: o dólar australiano atingiu o maior patamar em mais de um ano em relação ao dólar, enquanto a libra esterlina chegou a US$ 1,40 pela primeira vez em três.

Ambas as moedas tiveram que ignorar os relatórios de vendas no varejo mais fracos do que o esperado na Austrália e no Reino Unido.

No entanto, as criptomoedas pareceram ser a escolha preferida daqueles que apostam na desvalorização do dólar: o Bitcoin atingiu US$ 53.000 pela primeira vez, enquanto Ethereum permanece apenas um pouco abaixo do máximo histórico de US$ 1.944.

4. Surpresa do PMI em duas direções

Divergência foi o nome do jogo nas economias da Europa novamente em janeiro. Os índices de gerentes de compras para a Zona do Euro mostraram a atividade manufatureira expandindo na taxa mais rápida desde o início de 2018, com o índice subindo de 54,8 para 57,7. Os analistas esperavam uma queda para 54,3.

No entanto, os serviços eram uma imagem espelhada, já que os bloqueios devastaram os setores de varejo e turismo novamente. O PMI de serviços da região caiu de 45,4 para 44,7, desapontando as esperanças de uma recuperação modesta.

As coisas parecem melhores no Reino Unido, onde tanto a manufatura quanto os serviços superaram as expectativas. O PMI da Markit nos EUA para janeiro sai às 10h45 , mas tende a ser ofuscado pelo relatório do Institute for Supply Management, que deve ser entregue na próxima semana.

5. Petróleo cai à medida que o frio diminui

Os preços do petróleo caíram novamente, uma vez que a produção no Texas começou a ser retomada após a onda de frio letal no início da semana. O governo dos EUA também estendeu uma conversa ao Irã sobre o retorno ao acordo patrocinado pela ONU que Donald Trump abandonou em 2017.

Os futuros do WTI caíam 1,55% a US$ 59,58 o barril, enquanto o Brent recuava 1,03%, a US$ 63,27 o barril.

As refinarias texanas, que normalmente lidam com milhões de barris de petróleo por dia, levarão mais tempo para retornar ao serviço normal, um fator que provavelmente sustentará os prêmios para produtos refinados no curto prazo.

Veja como as ações operaram hoje no Ibovespa

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: