Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Biossegurança

CTNBio adia decisão sobre trigo transgênico

Comissão informou que uma decisão sobre o cereal produzido na Argentina pode acontecer em novembro

07 outubro 2021 - 12h15Por Reuters

Por Ana Mano, da Reuters - A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) adiou mais uma vez um parecer sobre a liberação comercial de trigo geneticamente modificado, informando que uma decisão sobre o cereal produzido na Argentina poderia acontecer em novembro, segundo participantes de um encontro do órgão nesta quinta-feira (7).

A adoção da transgênia da matéria-prima de pães, massas e biscoitos enfrenta forte oposição da indústria, que não pretende comprar trigo transgênico da Argentina caso a importação seja aprovada pela CTNBio.

O tema é controverso porque ainda não há trigo transgênico sendo consumido no mundo, por temores de consumidores relacionados à biossegurança.

O novo adiamento permitirá que a CTNBio analise documentos adicionais fornecidos pela Tropical Melhoramento & Genética (TMG), que fez o pedido de liberação comercial no Brasil e cumpriu as diligências, de acordo com o órgão.

A TMG é parceira da argentina Bioceres, que desenvolveu o trigo transgênico na Argentina.

O trigo analisado pela CTNBio proporciona proporcionariaaumento de produtividade em situações e ambientes de baixa disponibilidade hídrica. Ele também é resistente ao herbicidaglufosinato.

Na hipótese de aprovação, o produto seria importado da Argentina, onde já teve aval do governo local, fato que gerapreocupação para os moinhos, diante de temores sobre as reaçõesdos consumidores devido ao ineditismo da iniciativa.

O governo da Argentina aprovou a comercialização davariedade transgênica de trigo HB4 da empresa de biotecnologiaBioceres, embora tenha destacado que o produto sópoderá ser negociado depois de autorizada a importação peloBrasil, maior importador.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: