quinta, 02 de dezembro de 2021
CHARGE

Covid-19 em 2021: Déjà vu ou o começo do fim?

26 janeiro 2021 - 17h13Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Já faz um ano que a China confirmou as primeiras mortes causadas pela Covid-19. Embora o consenso seja de que o pior já passou, está ficando claro que, mesmo com as vacinações em massa, o mundo não irá retornar ao estado pré-pandêmico imediatamente.

Sim, as vacinações estão ocorrendo agora em todo o mundo, em um ritmo cada vez maior. Imunizantes da Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34) e BioNTech (DE:22UAy) (SA:B1NT34), Moderna (NASDAQ:MRNA) (SA:M1RN34), AstraZeneca (NASDAQ:AZN) (SA:A1ZN34) e dos laboratórios de pesquisa da China e da Rússia foram aprovados em várias partes do globo. Os resultados da fase três do teste do medicamento experimental da Johnson & Johnson (NYSE:JNJ) (SA:JNJB34) podem chegar esta semana, de acordo com alguns relatos.

Mas as implementações estão ocorrendo de maneira dolorosamente lenta em muitos lugares, especialmente na União Europeia, que distribuiu doses para menos de 2% de sua população no momento em que este texto foi escrito. Isso mal se compara aos 10% do Reino Unido e não chega nem perto de Israel, com 40%. Mesmo a rápida implementação do Reino Unido é o produto de uma aposta calculada em estender uma inoculação de duas doses por um período de tempo mais longo do que nos ensaios clínicos. Ninguém sabe se isso reduzirá a eficácia da vacina, embora a AstraZeneca, pelo menos, diga que não.

A vacinação lenta, em um momento em que novas e mais virulentas cepas do vírus estão chegando ao continente, já está fazendo com que os governos apertem seus regimes de lockdown e economistas revisem para baixo as previsões de crescimento para este ano. A França deve anunciar o terceiro lockdown nacional esta semana, o governo confirmou na segunda-feira. A confiança empresarial na Alemanha, a maior economia do continente, caiu para uma baixa de oito meses em janeiro, de acordo com a instituição de pesquisa Ifo.

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, sugeriu fortemente uma recessão de duplo mergulho para a Zona do Euro durante coletiva de imprensa, dizendo que: “A produção deve ter contraído no quarto trimestre de 2020 e a intensificação da pandemia apresenta alguns riscos negativos para as perspectivas econômicas de curto prazo.”

No Japão, entretanto, o governo foi forçado a negar relatos que sugerem que já desistiu das esperanças de organizar os já adiados Jogos Olímpicos em Tóquio, que ainda está em estado de emergência devido à pandemia.

Até a vacinação não é uma panaceia, ao que parece. Embora sem dúvida fortaleça as defesas imunológicas, só o tempo dirá por quanto tempo garante imunidade e até que ponto suprime a capacidade das pessoas de transmitir a doença. E a corrida da vacina ainda está gerando uma cota de decepções: o Institut Pasteur da França e a empresa farmacêutica norte-americana Merck (NYSE:MRK) (SA:MRCK34) abandonaram os principais esforços para desenvolver medicamentos na segunda-feira, depois que os experimentos não foram bem-sucedidos.

Tudo isso azeda o otimismo palpável dos últimos dias de 2020, quando a perspectiva de mais um ano de estímulos governamentais e política monetária frouxa gerou esperanças de uma recuperação econômica global rápida e mais ou menos sincronizada.

De particular preocupação nos últimos dias foram os surtos locais em regiões da China, que levaram dezenas de milhões de cidadãos a serem isolados pela primeira vez em meses, um revés para uma das recuperações mais completas do choque pandêmico inicial.

Avisos oficiais, emitidos na semana passada, contra viajar para casa no Ano Novo Lunar foram uma das principais causas da onda de vendas nos preços do petróleo (embora o mercado tenha se confortado com a disciplina mostrada pelos principais produtores no Golfo Pérsico e na antiga União Soviética).

Ainda assim, há melhoras perspectivas no horizonte. As taxas de infecção e internações hospitalares devido à Covid-19 caíram drasticamente nos EUA nos últimos dias, permitindo que a Califórnia suspendesse o mandado de permanência em casa. Restaurantes de Baltimore a Chicago estão reabrindo para jantares fechados, embora com apenas 25% da capacidade. A Moderna disse na segunda-feira que a vacina é de fato eficaz contra as duas novas cepas - identificadas no Reino Unido e na África do Sul - que mais preocupam os cientistas (a empresa disse que ainda vai trabalhar em uma nova injeção de reforço para a variante sul-africana).

A nova administração dos EUA agiu rapidamente em dissipar a conversa de uma vitória rápida: quarentenas e proibições de viagens devem ser reforçadas para pessoas que entram nos EUA. A angústia de empresas e famílias em todos os lugares continuará a gerar pressão para reabrir as economias e, como comenta o economista-chefe da Pantheon Economics, Ian Shepherds: “Cada passo para a reabertura antes que Covid acabe atrasará o surgimento da imunidade do rebanho e, portanto, custará vidas que poderiam ter sido salvas.”

Claro, governos fazem essas escolhas todos os dias, em questões completamente alheias à Covid. Assim que a recente disparada de casos atingir o pico e a pressão sobre a capacidade do hospital diminuir, o início do fim deve ficar à vista. Mas a pressão incessante para reabrir a economia torna ainda mais provável que o progresso para sair da pandemia seja irregular e repleto de riscos.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content