quarta, 19 de janeiro de 2022
[Square Banner - Mobile Topo 2] [300x250] [mobile] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
[SpaceNow Desktop] [200x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
[SpaceNow Mobile] [150x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
Coronavírus

CHARGE - Vacinação contra Covid-19: Lá vem o terceiro round da Pfizer!

Se você quer ter uma ideia de como esse round vai acabar, preste atenção no Reino Unido

13 julho 2021 - 15h20Por Investing.com
[Billboard Topo 2] [970x250] [pagina-inicial] - Melhores oportunidades 2022
 - Crédito: Investing.com

Por Geoffrey Smith, do Investing.com -- Terceiro round.

O vírus da Covid-19 venceu o round assalto da sua lutas contra a humanidade com facilidade – matando milhares e destruindo as vidas de milhões de pessoas com morte, doença, desemprego, desorientação e níveis de estresse sem precedentes.

Ele também começou o segundo round forte, com um aumento no número de casos e mortes em todo o mundo, enquanto os líderes – nas palavras da Organização Mundial de Saúde – "abaixaram a guarda", desfazendo muito do que tinha sido alcançado.

[04] [Square Detalhe Notícia] [300x250] [geral] Melhores investimentos 2022

Mas a humanidade revidou com força: as vacinas começaram a ser distribuídas e, apesar de uma série de desastres locais, a pressão sobre muitos sistemas de saúde em todo o mundo diminuiu significativamente. O número de casos e mortes globais tem registado uma firme trajetória descendente desde fevereiro, enquanto o número de doses de vacina administradas acelerou para 3,5 bilhões. O segundo round foi nosso.

Então, por que razão a súbita Angústia assombrando os mercados globais em um terceiro round da Covid-19? É verdade que a variante delta que devastou a Índia parece ser mais transmissível do que as anteriores. E isso claramente significa problemas para as economias dos mercados emergentes, com populações densas e sistemas de saúde com poucos recursos. Só nesta semana, a Indonésia reduziu a sua meta de crescimento neste ano, tendo como pano de fundo um aumento exponencial em casos e números recordes de mortes. E o banco central da Tailândia também avisou que provavelmente não iria alcançar sua meta de crescimento, à medida que a pandemia continua a impedir o turismo de estrangeiros.

A alta transmissibilidade da variante delta também está levando a alguns movimentos dramáticos, até mesmo desesperados, na Europa. A Rússia reporta recorde de mortes. A Espanha e Portugal, dois dos maiores destinos turísticos de verão do continente, começam a mostrar altas.

A França, o maior destino turístico do mundo e país onde apenas 36% das pessoas estão totalmente vacinadas, tem um potencial especial para atuar como acelerador global da pandemia. O seu governo, compreensivelmente, parece estar em pânico. Na segunda-feira, o presidente Emmanuel Macron anunciou um grande aumento da lista de coisas que não serão possíveis neste verão sem prova de imunidade, seja adquirida naturalmente ou por meio de uma vacina: de forma crucial, elas incluem qualquer tipo de viagem de longa distância, tornando a vacinação na prática um pré-requisito para as férias. Enquanto isso, o Ministro da Saúde, Olivier Veran, afirmou na terça-feira que os trabalhadores da saúde não receberiam seus salários a menos que fossem vacinados.

Mas, se você quer ter uma ideia de como o terceiro round vai acabar, preste atenção no Reino Unido.

Há apenas duas semanas, surfando uma onda de confiança gerada por uma das maiores taxas de vacinação do mundo, o governo confirmou que irá suspender quase todas as restrições restantes de distanciamento social e uso obrigatório de máscaras no dia 19 de julho.

Porém, na segunda-feira, o primeiro-ministro Boris Johnson avisou com urgência que "a pandemia não acabou" e alertou para uma necessidade permanente de cautela. O motivo? Os números de novos casos dispararam até ao seu nível mais elevado desde janeiro. As internações diárias, que atingiram um pico de mais de 4.500 em janeiro, subiram de uma mínima de 100 em maio para quase 600, e podem bater 2.000 na onda seguinte, alertam os especialistas em saúde. O afrouxamento dramático e súbito das restrições testará a eficácia das vacinas aprovadas até seu limite.

O vírus da Covid-19 ainda é jovem e de rápida mutação. Novas cepas ainda lutam entre si na sua própria batalha darwiniana pelo predomínio. E quanto maior for o número de novos casos, mais variantes surgirão. Assim, os fabricantes de vacinas permanecerão sob pressão constante para adaptar seus produtos a fim de lidar com novas variantes, e os sistemas de saúde terão que permanecer ágeis para suprimi-los.

O risco de uma nova cepa que drible todas as vacinas mais difundidas não pode ser descartado, mas as evidências até agora mostram que os fabricantes de vacinas são plenamente capazes de acompanhar a natureza.

Um estudo israelense recente demonstrou que a vacina Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34)/BioNTech (DE:22UAy) (SA:B1NT34) tornou-se menos eficaz agora que a variante delta se transformou na cepa dominante no país. No entanto, com uma taxa de sucesso de 93%, ela ainda é incrivelmente eficaz em parar infecções graves.

A Pfizer e a BioNTech agora propõem à Food and Drug Administration dos EUA que as pessoas devem receber uma terceira dose da sua vacina para reforçar as suas defesas, embora um outro estudo israelense afirme que os benefícios desta situação podem ser limitados aos indivíduos com sistemas imunológicos enfraquecidos. Entretanto, estudos apoiados pela OMS sobre 'misturas e combinações' de vacinas para produzir melhores níveis de imunidade ainda estão em curso.

Contudo, o histórico dos líderes políticos em lidar com a ameaça em evolução é fragmentado, e a humanidade em geral – levada a distrações pelas intermináveis interrupções da vida – abre muitas oportunidades para o vírus contra-atacar. A luta de boxe ainda está muito equilibrada para ficarmos confortáveis.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content