Menu
Busca segunda, 25 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Reino Unido

CHARGE: Saúde! É primavera para a libra!

As nuvens sobre a economia do Reino Unido parecem estar finalmente se dissipando

18 maio 2021 - 18h23Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - A chuva pode ser incessante, mas em todos os outros sentidos, as nuvens sobre a economia do Reino Unido parecem estar finalmente se dissipando.

As restrições de bloqueio em pubs, teatros, museus, salas de concerto e academias foram amplamente levantadas na segunda-feira, ao mesmo tempo em que o governo relaxou os limites para reuniões sociais. A mudança permitirá que uma ampla faixa do setor de serviços britânico - que responde por 71% do produto interno bruto - opere novamente em condições normais. O turismo internacional agora é permitido, embora a lista de países que podem ser visitados sem quarentena e requisitos de teste seja curta. A orientação oficial do governo agora permite que as pessoas abracem seus parentes há muito não visitados, embora com 'cautela'. E, se isso não bastasse para colocar um sorriso no rosto das pessoas, a maior partida de futebol do país aconteceu no sábado, no Estádio de Wembley, para 20.000 espectadores (com uma vitória gratificante para os azarões, Leicester City).

O país se recuperou de forma impressionante de uma reação inicialmente caótica ao desastre da Covid-19 e agora está colhendo os frutos. A Grã-Bretanha vacinou mais, proporcionalmente, do que qualquer outra grande economia, com 70% da população adulta tendo recebido pelo menos uma dose da vacina contra a doença e 39% duas doses, tornando-os efetivamente imunes.

O número de novos casos de Covid-19 caiu para cerca de 2.000 por dia, enquanto o número de mortes na segunda-feira caiu para apenas sete, o menor desde agosto.

Esse progresso está se refletindo nos dados oficiais: o emprego aumentou pelo quinto mês consecutivo em abril, de acordo com dados divulgados na terça-feira, e o nível médio de emprego nos últimos três meses foi mais alto na comparação anual pela primeira vez em oito meses, graças à rápida recontratação do setor de serviços. O Banco da Inglaterra, em sua última reunião, elevou suas previsões de crescimento neste ano para 7,5%, de 5% inicialmente, e se tornou o segundo banco central do G7 (depois do Canadá) a diminuir o ritmo de suas compras de títulos (o banco ainda injetará tanto estímulo quanto planejado originalmente, só que mais lentamente).

Tudo isso elevou a libra esterlina acima de US$ 1,42, para alguns por cento acima de onde estava na véspera do referendo do Brexit em 2016 - mesmo que ainda esteja mais de 10% abaixo do euro naquele período. O FTSE 250, que rastreia empresas de médio porte com um foco mais doméstico em vez das gigantes globalizadas do FTSE 100, atingiu um recorde na semana passada. Os rendimentos dos títulos do governo de dez anos, embora subindo para níveis pós-Covid, não estão sinalizando um susto de inflação ou qualquer tipo de perda generalizada de confiança na libra que pode ser esperada em vista dos déficits gêmeos.

A última alta da libra esterlina também foi ajudada pelas eleições locais, que deixaram o Partido Nacional Escocês sem um mandato claro para convocar outro referendo sobre a independência, como sua liderança deseja. Uma separação no Reino Unido permanece uma história para outro dia, embora não tenha ido embora.

É certo que há pelo menos uma mosca na sopa. Uma nova variante mais transmissível da Covid-19, detectada pela primeira vez na Índia, está agora se espalhando no Reino Unido e deve se tornar a cepa dominante no país dentro de algumas semanas. O primeiro-ministro Boris Johnson visivelmente desperdiçou a oportunidade na segunda-feira de confirmar o cronograma para o levantamento das restrições restantes ao distanciamento social. A capacidade do atual governo para o desastre, ricamente ilustrada pela forma como lidou com a pandemia no ano passado, não permite qualquer complacência nessa frente.

As nuvens econômicas do Brexit também não foram totalmente dissipadas. Embora a interrupção inicial do comércio internacional no início deste ano tenha diminuído, o problema continua a envenenar as relações com os vizinhos do país. Só no último mês, Londres enviou navios de guerra para assustar os barcos de pesca franceses para longe das ilhas do Canal da Mancha e enfureceu Dublin e Bruxelas com seus esforços para escapar de suas promessas a respeito da Irlanda do Norte.

Do lado positivo, no entanto, os temores de que a emigração de cidadãos da UE devido aos direitos de residência levasse imediatamente a uma escassez de mão de obra parecem não ter se concretizado: dados oficiais mostram o número de cidadãos da UE que solicitaram o status de residente - pouco menos de 5 milhões - é mais do que o governo do Reino Unido jamais reconheceu que vivia no país antes do Brexit.

No geral, apesar da incompetência aparentemente deliberada de seus líderes em muitos momentos dos últimos 15 meses, há lugares piores para estar do que a Inglaterra pós-Covid e Brexit. Se apenas parasse de chover...

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: