Menu
Busca sexta, 15 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Moeda norte-americana

CHARGE: O dólar volta a ser o centro das atenções

09 março 2021 - 16h29Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Apenas três meses atrás, o dólar não tinha um amigo no mundo. Agora está no centro das atenções aonde quer que vá.

A opinião consensual fez o que tantas vezes faz - e girou em torno de um centavo. A noção de que uma política fiscal e monetária frouxa nos EUA deveria inevitavelmente degradar a moeda de reserva mundial parecia sólida no papel, mas negligenciou outras implicações importantes que só agora estão se tornando claras.

A primeira é o efeito eletrizante que elas teriam sobre o crescimento, especialmente quando sustentadas pelo progresso de uma campanha de vacinação que - ao que parece - garantirá que os norte-americanos nunca mais tenham tanto medo da Covid-19. O recente acordo da Merck (NYSE:MRK) (SA:MRCK34) que permite que a Johnson & Johnson (NYSE:JNJ) (SA:JNJB34) fabrique sua vacina de dose única em suas grandes instalações significa que todos os adultos do país que desejarem poderão ser vacinados até o final de maio. Isso também antecipa o dia em que os EUA podem ser um exportador dessas vacinas.

Wall Street já começou a revisar suas previsões de crescimento no minuto em que o governo do presidente Joe Biden elaborou seu pacote de US$ 1,9 trilhão. Nesta terça-feira, quando o pacote estava em sua votação final no Congresso antes de ser assinado, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico disse que o plano acrescentaria 3,3 pontos percentuais ao crescimento dos EUA e 1% ao crescimento global neste ano.

A OCDE agora vê um crescimento de 6,5% nos EUA neste ano, e ainda está no final conservador de um intervalo de previsão que implica em uma melhora acentuada nos retornos sobre ativos em dólar no geral.

Isso começa com o Tesouro dos EUA, cuja demanda sem precedentes por dólares para financiar uma expansão substancial do estado de bem-estar dos EUA significa que ele simplesmente tem que pagar um preço mais alto por esse dinheiro.

E, assim como a demanda do Tesouro atinge níveis recordes - estimados em US$ 274 bilhões apenas no primeiro trimestre - os grandes negociantes primários dos EUA que habitualmente armazenam grande parte das novas emissões do Tesouro estão mais relutantes do que o normal em aumentar seus ativos.

Isso porque o Federal Reserve até agora se recusou a dizer se vai estender uma lacuna vital nas exigências de capital que criou para aliviar o pânico do ano passado. De acordo com o Índice de Alavancagem Suplementar, um produto das reformas regulatórias pós-2008, os bancos devem deter 3,5 centavos de capital para cada dólar de ativos que detêm, independentemente do risco. O SLR foi suspenso no ano passado para ajudar o sistema financeiro a lidar com o estresse da primeira onda da pandemia. Deve ser restabelecido no final de março (a menos que o Fed decida de outra forma na reunião do Comitê Federal de Mercados Abertos na próxima semana).

Se não for, o Tesouro terá que oferecer taxas ainda mais altas em seus IOUs. O déficit de US$ 2,3 trilhões projetado neste ano pelo Escritório de Orçamento do Congresso é quase o dobro do que o Fed está atualmente se comprometendo a comprar por meio de seu programa de flexibilização quantitativa.

Os perdedores disso tudo são os ativos de porto seguro no geral, e o ouro em particular. O dólar subiu mais de 5% até agora neste ano contra o iene e o franco suíço, cujos retornos nominais negativos pareceram ainda piores conforme os rendimentos do Tesouro dos EUA a 10 anos dispararam acima de 1,5%. O euro dificilmente parece melhor posicionado, já que o ritmo de sua campanha de vacinação permite que os EUA e o Reino Unido ganhem três meses de vantagem na reabertura de suas economias. Os analistas da Nordea veem US$ 1,13 como um valor mais justo do que os US$ 1,19 atuais.

Mas é o outro ativo tradicional de porto seguro, o ouro, que mais está prejudicado. Desde o pico em agosto, o metal perdeu 16% em relação ao dólar. Em parte, isso ocorre porque Bitcoin roubou sua força. Mas, principalmente, é porque os rendimentos dos títulos reais (isto é, ajustados pela inflação), que normalmente impulsionam os preços do ouro, estão menos fortemente negativos do que há um ano.

Depois de descontar fortemente no ano passado a reflação que agora está se materializando, o metal amarelo não tem para onde ir, a não ser para baixo, no curto prazo. Como os analistas do JPMorgan escreveram a clientes na semana passada, uma cesta de commodities, ou moedas de commodities, ou mesmo ações de materiais básicos, oferecem uma melhor proteção contra a inflação.

“Simplesmente ainda é caro em termos reais e não oferece rendimento”, resumiram. E, para piorar as coisas, agora tem o Bitcoin para enfrentar.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: