Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Mudança climática

CHARGE: líderes mundiais prometem reduzir a emissão de dióxido de carbono

É fácil descartar a cúpula do clima do presidente Joe Biden na semana passada como um espetáculo vazio

28 abril 2021 - 13h20Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - É fácil descartar a cúpula do clima do presidente Joe Biden na semana passada como um espetáculo vazio, um sinal de virtude política por uma elite ansiosa para evitar ser escalada como o vilão global no grande drama de nossa era

Fácil, mas errado.

A derrota de Donald Trump em novembro passado quase certamente marcou a última vez que os negadores da mudança climática manterão o poder em uma grande economia avançada. Entre os estados do G20, o brasileiro Jair Bolsonaro é o último adversário e parece certo que será despejado do poder no próximo ano, após uma queda desastrosa em sua popularidade devido à má gestão da pandemia.

O consenso formado nas negociações sobre o clima em Paris em 2015 foi restaurado. As mudanças geracionais nas atitudes provavelmente garantirão que isso aconteça desta vez. Ainda haverá discussões sobre as soluções, mas parece improvável que o mundo volte a questionar que existe um problema.

Isso importa. Resolver essa questão remove muitos dos obstáculos políticos para mudanças profundas na forma como os impostos são aumentados e gastos. Um acordo internacional dessa natureza vai garantir que os estados mantenham um papel muito ativo no direcionamento do capital, principalmente no que diz respeito ao setor de energia, mas também em áreas como construção e transporte.

O estado em geral (e os estados comunistas em particular) pode ter uma longa história de má alocação de capital quando escolhe vencedores em tais circunstâncias, mas a história sugere que a recompensa para investidores dispostos a apostar contra tal impulso político será realmente muito baixa.

O grau de unanimidade mostrado na semana passada foi notável para um grupo de líderes que, em outras ocasiões, dificilmente concordam sobre qualquer coisa: os EUA se comprometeram a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 50% em relação aos níveis de 2005 até 2030, uma meta muito mais ambiciosa do que a promessa do presidente Obama de 26-28% até 2025 nas negociações originais em Paris.

Ainda mais atraente foi a nova meta da China, adotada algumas semanas antes, de ser neutra em carbono até 2060, acelerando a eliminação do carvão como fonte de energia. Por trás dessas promessas não está um idealismo ambiental, mas sim uma disputa pelo domínio das tecnologias que impulsionarão a revolução industrial vindoura. A China, a UE e agora os EUA estão reconhecendo que os países que desejam liderar globalmente precisam legislar nacionalmente para criar uma estrutura que fomente essas tecnologias.

Os primeiros efeitos deste consenso global renovado nos mercados já são claros: o cobre futuro atingiu seu maior nível em 10 anos nesta semana em meio a uma corrida cada vez maior por um metal necessário em quantidades muito maiores para carros elétricos. O níquel - outro metal essencial para as baterias - está perto de sua máxima em sete anos por razões semelhantes. A prata, cuja condutividade elétrica incomparável faz dela um insumo essencial em itens como células de energia solar, está 10% abaixo da máxima de oito anos que atingiu em agosto.

Mas os impactos não se limitam aos recursos primários para a indústria. A qualidade da redução da pegada de carbono da empresa de tecnologia de teleconferências Zoom Video Communications (NASDAQ:ZM) (SA:Z1OM34), para citar apenas um exemplo, provavelmente ganharão um lugar na maioria dos portfólios com foco em ESG, sustentando seu valuation nos próximos anos.

Por outro lado, um dos fatores por trás da liquidação de criptomoedas na última semana foi o desconforto com o pensamento da intensidade de energia utilizada em toda a criptoesfera. Os governos destinados a buscar maior eficiência energética só podem assistir enquanto grandes quantidades de carvão e gás forem queimadas para gerar um ativo sem nenhuma vantagem social ou política para eles.

Os céticos, sem dúvida, apontam para os valuations altíssimos das ações verdes de maior perfil, como Nextera Energy (NYSE:NEE) (SA:NEXT34) ou Orsted (OTC:DOGEF), uma operadora dinamarquesa de parques eólicos e solares. Os investidores em hidrogênio, notavelmente, já passaram por mais de uma explosão e queda.

Isso não parece ter impedido as pessoas de comprar: o índice Nasdaq Renewable Energy Generation subiu mais de 43% em relação aos níveis pré-pandêmicos, enquanto o índice S&P 600 Energy, uma cesta de empresas de energia tradicional, caiu mais de 20%.

Os ciclos de hype e charlatões garantirão que os investidores nunca deixem de perder suas economias em ações individuais, e não é impossível que uma indústria de petróleo e gás em extinção gere dinheiro tão abundantemente quanto a indústria do tabaco nos últimos 30 anos. Ainda assim, a direção da viagem é clara. Deixe a tendência ser sua inimiga se você insiste, mas não espere ser recompensado por sua lealdade à velha guarda.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: