Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Discussões internacionais

CHARGE - Imposto global: todos em sintonia agora?

Nos últimos 40 anos, a taxa de impostos pagos pelas empresas caiu quase continuamente - de mais de 40% em 1980 para cerca de 24% em 2020, de acordo com a Tax Foundation

13 abril 2021 - 18h42Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - As discussões internacionais raramente são harmoniosas, e qualquer tipo de discussão sobre impostos é ainda menos.

Mas a vontade dos EUA de voltar a entrar em uma discussão global sobre o fim da competição fiscal prejudicial atingiu um ponto forte. Isso ainda pode terminar em uma redistribuição significativa da receita para os governos e para os acionistas privados.

Para muitos, tal acontecimento parece tardio: as empresas multinacionais em particular conseguiram reduzir suas taxas efetivas de impostos de forma consistente nas últimas quatro décadas, fortalecendo sua vantagem competitiva contra empresas menores onde quer que operem. A tendência assumiu dimensões grotescas à medida que, especificamente, a nova geração de gigantes digitais habilmente desviou a maior parte de seus lucros para jurisdições de baixa tributação, esvaziando a base tributária de estados ao redor do globo.

Nos últimos 40 anos, a taxa de impostos pagos pelas empresas caiu quase continuamente - de mais de 40% em 1980 para cerca de 24% em 2020, de acordo com a Tax Foundation, um think-tank com sede nos EUA.

"E daí?", outros dizem. Um sistema tributário leve e flexível foi essencial para sustentar um crescimento sem precedentes no comércio e no investimento transfronteiriço global que tirou centenas de milhões da pobreza naquela época, criando empregos em novas indústrias à medida que as mais antigas morriam.

É claro que não há uma maneira única de reconciliar todas as perspectivas conflitantes envolvidas no debate. No entanto, as ideias lançadas na semana passada por Janet Yellen de um imposto mínimo global - calorosamente recebidas pelos ministros das finanças globais na reunião de primavera do Fundo Monetário Internacional - tornam muito mais provável que uma disputa destrutiva sobre a tributação das empresas, que vem se formando desde a última crise financeira, possa ser evitada.

A proposta de Yellen se baseia no que a administração anterior dos EUA implementou em 2017, quando Donald Trump persuadiu a America Inc. a repatriar trilhões de ganhos não tributados escondidos no exterior cobrando um imposto de apenas 10,5% sobre eles.

Ao mesmo tempo, a administração Trump cortou a taxa de imposto estatutária dos EUA e encerrou um punhado de isenções. A mudança foi um combustível de foguete para o mercado de ações, permitindo que as empresas recomprassem centenas de bilhões de dólares em ações (elas estavam menos interessadas em usá-las para seu propósito declarado de aumentar o investimento).

Até certo ponto, o que a secretária Yellen está propondo agora é uma recuperação dessa dádiva específica - uma que parece ainda mais urgente em vista dos danos causados às finanças públicas e pessoais pela pandemia e da necessidade de financiar a reconstrução econômica. Yellen quer uma taxa mínima de imposto de 21% - o dobro do nível estabelecido por seu antecessor.

No entanto, vai muito além disso. Ao propor um imposto mínimo global, Yellen espera persuadir os países da Europa e de outros lugares a abandonar seus planos de impostos sobre serviços digitais, que seriam cobrados em sua maioria de empresas de internet sediadas nos Estados Unidos, como Apple (NASDAQ:AAPL) (SA:AAPL34), Facebook (NASDAQ:FB) (SA:FBOK34), Alphabet (NASDAQ:GOOGL) (SA:GOGL34) e Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34). Esses impostos aumentaram um ciclo de retaliação através do Atlântico que também incluiu taxas de importação sobre produtos europeus e, de modo geral, azedou as relações entre as democracias mais ricas do mundo.

Esse cenário tornou mais difícil para Trump construir uma aliança mais ampla para conter o expansionismo econômico chinês. O novo governo - talvez com otimismo - pensa que a Europa terá mais probabilidade de adotar medidas anti-China se esta longa disputa puder ser resolvida.

Certamente, o acordo sobre um imposto mínimo global permitirá avançar em outra iniciativa paralela, liderada pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, para erradicar a chamada “Erosão de Base e Transferência de Lucros”. Esse termo pesado se refere à prática pela qual as multinacionais desviam o máximo possível de seus lucros para jurisdições com taxas de impostos baixas, como a Irlanda, ou um punhado de territórios ultramarinos britânicos, como as Ilhas Virgens Britânicas.

De acordo com a Reuters, o imposto mínimo deve compor a maior parte dos US$ 50 bilhões a US$ 80 bilhões em imposto corporativo extra que a OCDE estima que as empresas acabarão pagando globalmente se acordos em ambos os esforços forem promulgados. A iniciativa BEPS foi efetivamente congelada no ano passado, desde que Steven Mnuchin informou à OCDE que os EUA não podiam concordar com os principais elementos dela. Se houver milhagem nos esforços de Biden de reaproximação, esse é o próximo lugar que se esperaria ver progresso.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: