Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Economia global

Charge: Assustados com a Inflação

02 março 2021 - 14h15Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os mercados financeiros globais assustaram-se na semana passada, à medida que o espectro da inflação pairava sobre os investidores e banqueiros centrais em todo o mundo.

É fácil ver o porquê: os preços globais das commodities estavam subindo, com o cobre atingindo sua máxima de 10 anos e o petróleo bruto subindo de volta ao seu nível mais alto desde que a pandemia se tornou global um ano atrás. Uma violenta distorção dos padrões de gastos do consumidor elevou os preços de certos bens, exacerbada por interrupções nas cadeias de abastecimento globais.

Nos Estados Unidos, a nova administração de Joe Biden, com a pacífica Janet Yellen como secretária do Tesouro, está apressando um pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão, enquanto o Federal Reserve está imprimindo dinheiro a uma taxa não vista nem durante a Grande Crise Financeira de 2008-9, a US$ 120 bilhões por mês. Na zona do euro, o Banco Central Europeu ainda está falando sobre a potencial necessidade de acelerar um programa de flexibilização quantitativa que, embora radical para os padrões regionais, mal chega à metade do Fed.

Juntamente com isso, houve as primeiras agitações dos índices de inflação de preços ao consumidor, com a taxa de inflação da zona do euro voltando acima de zero, e a do Brasil subindo pelo oitavo mês consecutivo para 4,6%, seu nível mais alto em quase dois anos. A taxa de inflação da Índia atingiu um pico de mais de 7% em novembro, antes de um alívio muito necessário nos preços dos alimentos baixá-la de volta para pouco mais de 4% em janeiro.

O espectro da inflação pode fazer acreditar que as políticas historicamente frouxas dos bancos centrais em todo o mundo estão simplesmente preparando o caminho para a desvalorização da moeda no atacado. O fato de alguém estar disposto a pagar mais de US$ 50.000 por um pedaço de código de computador sugere que a confiança na capacidade do dólar de manter seu poder de compra não é exatamente inabalável.

No entanto, a realidade da inflação - como acontece com os fantasmas em geral - é que ela não existe. Pelo menos não de qualquer forma que ameace desestabilizar a economia mundial.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, explicou isso sem rodeios em dois dias de depoimento perante o Congresso na semana passada: com 10 milhões de empregos a menos na economia do que um ano atrás, a quantidade de folga ainda é enorme. Como apontam analistas da TS Lombard, este ano será de recuperação nos serviços, que geralmente pagam menos do que a indústria. Assim, a criação de novos empregos deprimirá o crescimento médio dos ganhos por hora, que é um importante precursor da inflação. Os analistas da TS Lombard veem o núcleo da inflação em 1% no final deste ano, e só aumentando para 1¾% no final de 2022.

A inflação na zona do euro é ainda mais ilusória: a união monetária já vinha ultrapassando a meta de inflação do BCE por uma década, antes mesmo do início da pandemia. O IPC está agora de volta a 0,9% quase inteiramente devido ao fim de um corte impulsionado pela pandemia na taxa de IVA da Alemanha, ajustes em seu regime nacional de preços de carbono e os números baixos de vendas em janeiro em toda a região (outro resultado das perturbações causadas pela pandemia nos padrões de gastos do consumidor). Analistas do ABN AMRO estimam que o núcleo da inflação caiu em fevereiro, de 1,4% para 1,2%.

Por mais que amem uma boa história de fantasmas, em seus corações, os investidores em títulos sabem disso. Os rendimentos dos títulos da zona do euro caíram drasticamente depois que Isabel Schnabel, membro do conselho do BCE, disse na semana passada que o BCE responderia a qualquer venda injustificada de títulos com intervenções ainda maiores para manter os rendimentos baixos. O Banco da Reserva da Austrália também derrotou os ursos de títulos que ousaram questionar seu compromisso de manter os rendimentos baixos aumentando drasticamente as compras de títulos de três e dez anos na semana passada.

No Brasil e na Índia, onde as memórias da inflação são mais frescas e os preços dos alimentos têm um papel maior no debate econômico nacional, parece que os bancos centrais terão que trabalhar mais duro para impedir um aumento indesejado nos rendimentos dos títulos. Os benchmarks de 10 anos de ambos os países atingiram máximas de 12 meses e continuam a subir.

Mas mesmo aqui os analistas consideram as preocupações exageradas. Analistas do JPMorgan liderados por Bruce Kasman apontam que a volatilidade recente foi "exacerbada por preocupações com a repetição da instabilidade financeira (dos mercados emergentes) da crise de 2013".

“Não acreditamos que as economias emergentes sejam vulneráveis da mesma forma que eram em 2013, em parte porque há poucos sinais de superaquecimento e os desequilíbrios externos estão virtualmente ausentes desta vez”, escreveu Kasman aos clientes na semana passada.

Em Shakespeare, o assassinado Banquo aparece no banquete de MacBeth como a expressão visual de sua consciência culpada. Da mesma forma, o fantasma que muitos investidores viram na semana passada pode ser entendido como a expressão de uma consciência desconfortável com a possibilidade de que os lucros do ano passado tenham ocorrido apenas por um apoio extraordinário de políticas, em vez de sua própria perspicácia de investimento.

Mais cedo ou mais tarde, as políticas reflacionárias encontrarão força, embora sem causar nada como a inflação galopante dos anos 1970. Nesse ponto, as perguntas sobre as taxas de juros terão mais validade e os fantasmas se tornarão mais materiais.

Como os analistas da TS Lombard colocaram: "Parece estranho estar ao mesmo tempo esperando um aumento da inflação e precificando ações, pressupondo que as taxas de juros serão insignificantes para sempre."

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: