Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Criptomoeda

Bitcoin bate na porta do recorde de US$ 50.000 com BNY Mellon se juntando ao 'Hodl'

11 fevereiro 2021 - 18h51Por Investing.com

Por Yasin Ebrahim, da Investing.com - O Bitcoin se recuperou na quinta-feira (11), em uma onda de forte demanda enquanto a investida do gigante banco regional dos EUA BNY Mellon (NYSE:BK) (SA:BONY34) na criptomoeda apontou para sinais de que a era de ampla adoção corporativa está perto.

O Bitcoin saltou 7,3% para uma máxima de US$ 48.555.

O BNY Mellon revelou planos para armazenar e emitir bitcoin, bem como outras criptomoedas, em nome de seus clientes. A mão do banco foi forçada pela crescente demanda dos clientes por ativos digitais em um momento em que a melhoria da clareza regulatória e um ecossistema em desenvolvimento pavimentam o caminho para uma adoção institucional mais ampla.

O banco tem como objetivo, eventualmente, permitir que seus ativos criptográficos fluam através da mesma rede financeira usada para ativos tradicionais como títulos do Tesouro dos EUA e ações.

O cenário de melhora da liquidez também ofereceu uma aparência de conforto para compras institucionais de bitcoin. Em anos anteriores, as baleias bitcoin - aquelas com uma quantidade significativa de bitcoin - tinham o poder de mover o preço do bitcoin, mas na esteira dos crescentes pedidos que aumentam a liquidez, os grandes 'hodlers' da popular criptomoeda têm menos controle.

"A liquidez vem das carteiras de pedidos... Grandes negociações em bloco de bitcoin teriam facilmente mudado o mercado não muito tempo atrás, [mas] isso mudou porque há participantes institucionais que estão comprando e vendendo bitcoin, [adicionando] profundidade às carteiras de pedidos," disse David Wachsman, CEO e fundador da Wachsman, em uma entrevista ao Investing.com.

"Compradores institucionais de bitcoin, que antes temiam que, se entrassem, pudessem movimentar o mercado, ou se tivessem uma posição de venda, poderiam fazer o mesmo - agora têm muito mais conforto porque há liquidez substancial no mercado ", acrescentou Wachsman.

O BNY Mellon não foi a única instituição importante a dar o salto para o bitcoin esta semana, já que a Mastercard (NYSE:MA) (SA:MSCD34) também deu seu apoio à popular criptomoeda seguindo os passos da Tesla (NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34) e da MicroStrategy Incorporated (NASDAQ:MSTR).

A entrada de grandes empresas na criptomoeda marca mais um sinal de que esta última alta difere significativamente do derretimento impulsionado pelo varejo em 2017 e sinaliza uma tendência que está nos primeiros momentos.

"Na minha opinião, a próxima grande validação da criptografia e, em particular, do BTC como uma classe de ativos, provavelmente será um enxame de empresas públicas limitadas (PLCs) arquivando junto à SEC - como a Tesla e a MicroStrategy - depois de participar da recente conferência e do código aberto do manual de tesouraria Bitcoin da MicroStrategy", disse Dave Hodgson, CIO do NEM Group.

"Foi um passo visionário e muito revigorante ver uma PLC abraçar as vantagens do código aberto de um ecossistema e os efeitos de rede."

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: