Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Commodities

Abaixo de US$ 1.900, ouro oscila à espera da leitura da inflação do Fed

O ouro para entrega em junho na Comex de Nova York fechou as negociações do dia em queda de 0,3%, a US$ 1.898,50

27 maio 2021 - 16h41Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - Com sua última aventura acima de US$ 1.900 durando cerca de 24 horas no total, o ouro voltou na quinta-feira para o movimento sem direção que se tornou sua segunda natureza desde o início do ano.

A menos que a leitura de maio do índice de consumo pessoal dos EUA, programada para sexta-feira, seja surpreendente, parece que o metal amarelo encontrará pouca inspiração para sair de sua atual "zona de conforto" de US$ 1.800.

O PCE é o índice de inflação preferido do Federal Reserve, o que o torna efetivamente mais importante do que o IPC, ou Índice de Preços ao Consumidor, mais onipresente. De acordo com um consenso de analistas consultados pelo Investing.com, o PCE de maio deve ter crescido 2,9% contra uma alta de 1,8% em abril.

“O nervosismo da inflação está voltando antes dos dados de amanhã”, disse Sophie Griffths, analista da plataforma OANDA. “Embora os temores de inflação tenham perseguido os mercados ao longo do mês, o Fed tem sido consistente e vocal em conter as expectativas de um movimento para apertar a política.”

O ouro para entrega em junho na Comex de Nova York fechou as negociações do dia em queda de US$ 5,30, ou 0,3%, a US$ 1.898,50. Na quarta-feira, atingiu a máxima da sessão de US$ 1.913,25. Esse foi seu nível mais alto em 4 meses e meio, desde seu retorno na terça-feira ao nível de US$ 1.900 pela primeira vez desde 8 de janeiro.

O Fed reconhece as pressões de preços decorrentes de gargalos nas cadeias de abastecimento dos EUA que lutam para lidar com a demanda em uma economia que reabre após meses de supressão da pandemia.

Mas o Comitê Federal de Mercado Aberto do banco central, liderado pelo presidente Jerome Powell, insiste que essas pressões inflacionárias são "transitórias" e desaparecerão conforme a economia se recupera totalmente da pandemia. O FOMC também não vê a necessidade imediata de aumentar as taxas de juros, mantidas entre zero e 0,25% desde o surto da Covid-19 em março de 2020.

Se todas as coisas seguirem iguais, um ambiente inflacionário é bom para o ouro, que é visto como a melhor reserva de valor em tempos de problemas financeiros e políticos.

No entanto, nos últimos tempos, os rivais do ouro, o dólar e o rendimento dos títulos dos EUA, subiram com sinais de inflação em alta, já que os investidores apostam que o Fed aumentará as taxas mais rápido do que o previsto - algo contra o que o banco central se comprometeu. Tal especulação desencadeou vendas massivas de ouro, levando-o a uma mínima de 11 meses abaixo de US$ 1.674, antes de um recuo nos rendimentos e no dólar impulsionar um retorno gradual para US$ 1.800.

O Fed tem tido como meta uma inflação anual de 2% na última década, mas mal alcançou esse nível, com os críticos atribuindo o descompasso à atenção obstinada do banco central ao PCE - um indicador que não considera custos de alimentos e energia, os mais voláteis componentes da inflação.

Por outro lado, o IPC, que inclui os componentes alimentos e energia, registrou crescimento de 4,2% em abril, seu maior aumento em quase 13 anos, após intensos aumentos de custos em uma economia em rápida recuperação da pandemia do coronavírus.

Os preços de quase tudo, desde casas até a madeira usada para construí-las, dispararam nos últimos meses, levando os economistas a acreditar que o crescimento da inflação em 2021 poderia ser o maior em 35 anos.

Tags: EUA, FED, ipc, OANDA, Ouro

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: