quinta, 09 de dezembro de 2021
Charge

1636 ou 2021: criptomania relembra a tulipa mania da Holanda do século 17

12 janeiro 2021 - 19h07Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - O primeiro alerta de bolha de 2021 não demorou muito para se materializar.

O preço do (Bitcoin) disparou 44% nos primeiros oito dias do ano, à medida que investidores grandes e pequenos despejavam dinheiro na moeda digital com base em conselhos de bancos de investimento, esboçando a perspectiva de ganhos quase inimagináveis.

Como sempre acontece com o Bitcoin, a alta rapidamente deu lugar a uma forte liquidação, mas a queda, também rapidamente, encontrou compradores, e a tendência de alta dos últimos meses permanece firmemente intacta. Com um número cada vez maior dos melhores de Wall Street emprestando o selo de aprovação à moeda digital, o ímpeto parece incontrolado por enquanto.

O JPMorgan acompanhou o Citigroup na semana passada ao publicar pesquisas que colocaram um valor surpreendente para o Bitcoin, baseado em grande parte na premissa de substituir o ouro como o ativo preferido das "reserva de valor" para investidores da era digital.

Os estrategistas liderados por Nikolaos Panigirtzoglou observaram que os investidores ainda têm mais de quatro vezes mais moedas de ouro, barras e produtos negociados em bolsa. Transferir tudo isso para o Bitcoin, teoricamente, elevaria o preço a US$ 148 mil.

Em dezembro, Scott Minerd, do Guggenheim, havia usado um raciocínio semelhante para colocar um preço de US$ 400 na moeda. No entanto, foi Minerd, mais do que ninguém, que contribuiu para uma das vendas devastadoras no fim de semana, dizendo que a recuperação de mais de US$ 40.000 tinha ido longe demais, rápido demais e que era hora de tirar algum dinheiro da mesa. Os preços do Bitcoin caíram 21% nas 48 horas seguintes.

Para ser justo, os defensores do Bitcoin mais atenciosos não afirmam que o ativo seja uma reserva de valor hoje. Em vez disso, eles argumentam, é um status que aguarda o Bitcoin no final de uma longa jornada rumo à aceitação, na qual os primeiros escândalos de custódia precária, lavagem de dinheiro e oscilações violentas de preços sem transparência são memórias distantes.

E, em alguns aspectos, a recuperação de 2020-21 realmente parece mais fundamentalmente sólida, no sentido de que os fluxos estão vindo em grande parte de investidores institucionais que jogam o jogo do longo prazo, ao invés de investidores de varejo em uma debandada para aproveitar o momento. Notavelmente, esta recuperação não foi acompanhada por uma onda de "ofertas iniciais de moedas" essencialmente falsas com o objetivo de transformar os retardatários em tolos.

A entrada dos institucionais pode tirar a associação que o rali das criptomoedas de 2017 tinha com a bolha das tulipas da Holanda do século 17, quando o contrato futuro da flor originária da Ásia Central, e símbolo de status social no país no período, chegou a ter uma valorização mensal de até 1.900% em 1636 e cair, no ano seguinte, a um centésimo do que valia.

Mesmo assim, os céticos ainda podem argumentar que o Bitcoin não cumpre - e provavelmente nunca o fará - as funções do dinheiro - agir como meio de troca e unidade de conta. Nenhum grande comerciante o aceitará e nenhuma autoridade fiscal aceitará pagamentos com ele.

Os defensores do Bitcoin argumentam, com alguma justificativa, que o mesmo se aplica ao ouro. No entanto, a comparação só vai até certo ponto: o ouro tem uma relação antiquíssima com joias e ostentação, que têm as funções de satisfazer a vaidade humana e aumentar a luxúria de uma forma que abstrações como moedas digitais não podem.

No entanto, tais considerações estão desempenhando um papel pequeno em uma recuperação impulsionada por uma política frouxa de bancos centrais e retornos negativos sobre ativos tradicionalmente seguros, como títulos. Mais de US$ 18 trilhões agora oferecem rendimentos negativos, de acordo com alguns cálculos.

Os preços do ouro e do Bitcoin ainda podem ser vulneráveis se os bancos centrais conseguirem reaquecer as economias e restaurar um retorno positivo mundial sobre ativos seguros. Mas só um investidor corajoso apostaria contra moedas digitais no curto prazo.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content