Menu
Busca quarta, 27 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
BlueDica

PGBL ou VGBL: como escolher o melhor plano de previdência privada?

Conheça essas duas opções de planejamento previdenciário e veja qual melhor se adequa às suas preferências

09 setembro 2021 - 15h56Por Redação SpaceMoney

Para o planejamento da aposentadoria por meio de planos de previdência privada, existem dois tipos principais: PGBL e VGBL, com características próprias. Entenda as diferenças entre eles e qual se ajusta melhor às suas necessidades.

Dessa forma, direcionar seus investimentos aos planos de Previdência PGBL ou VGBL, de maneira alinhada à sua real necessidade, é o primeiro passo para que seja possível convergir seus investimentos ao seu objetivo.

Mas, afinal, você saberia dizer qual dessas alternativas se adequaria a sua situação?

PGBL

O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), geralmente, é indicado para pessoas que utilizam o modelo completo de declaração de Imposto de Renda (IR), e que contribuem para previdência social, regime próprio ou já estão aposentados.

"Dessa forma, faz-se possível obter um benefício fiscal, já que os valores depositados podem ser deduzidos da base de cálculo do IRPF até o limite de 12% da renda bruta anual", explica Giovana Penteado Delboni, assistente de previdência da Blue3. "No entanto, vale ressaltar que o IR incide sobre o montante total acumulado na hora do resgate", acrescenta.

VGBL

Já o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) é destinado às pessoas que utilizam o modelo simplificado de IR ou não fazem a declaração, "isto porque os valores depositados nesta aplicação não podem ser deduzidos da base de cálculo do IRPF".

Entretanto, o IR do resgate incide somente sobre os juros acumulados durante o período de aportes.

Taxas

Há quatro taxas possíveis em planos PGBL e VGBL durante a fase de acumulação patrimonial: 

Taxa de Administração Financeira (TAF): Incide sobre todo o dinheiro poupado, seja por contribuições, aportes ou pela rentabilidade.

Taxa de Carregamento na Entrada: Custeia as despesas de administração e manutenção das aplicações, como os custos de venda e as corretagens do plano.

Taxa de Carregamento na Saída: A cobrança dessa taxa ocorre no momento do resgate do plano, quando o investidor for sacar seu dinheiro.

Taxa de Performance: cobrada sobre uma parcela da rentabilidade do fundo de previdência que exceda a variação de um índice de desempenho previamente determinado.

Por isso, redobre a atenção: qualquer meio ponto percentual a mais em qualquer uma das taxas pode causar um grande impacto na sua reserva. Esteja atento para comparar as taxas de cada instituição no momento da contratação.

Dentre os dois, qual escolher?

Delboni elenca boas vantagens encontradas na contratação de ambos os planos.

“A previdência privada, assim que realizada como um PGBL, pode atuar como ótima vantagem tributária no processo de pagamento de impostos, sem contar que o valor investido ainda renderá aplicado a um investimento”, diz. 

Por outro lado, a previdência VGBL atua como um “ótimo investimento para aqueles que não pretendem contribuir para uma previdência privada com frequência, ou não apresentam vantagem na contribuição completa de IR”, esclarece Delboni.

Entretanto, cabe ressaltar que a forma de entrega da declaração do IR não impede de se optar por um ou por outro. Mas você deve levar em consideração que escolher um plano diferente do recomendado pode acarretar em perdas, como o pagamento de impostos além do necessário.
 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: