Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Projeções

Perspectiva econômica do Brasil é turva, mas riscos estão equilibrados, diz FMI

Segundo o Fundo, a pandemia exacerbou os desafios de longa data para um maior crescimento e inclusão socioeconômica no país

23 setembro 2021 - 09h44Por Reuters

Por Rodrigo Campos, Andrea Shalal e Jamie McGeever, da Reuters - O Fundo Monetário Internacional disse na última quarta-feira (22) que o desempenho econômico do Brasil tem sido melhor do que o esperado "em parte devido à resposta enérgica das autoridades", à medida que a economia emerge da desaceleração causada pela pandemia.

A previsão do Fundo para o crescimento econômico da maior economia da América Latina é de expansão de 5,3% do Produto Interno Bruto em 2021, inalterada em relação à estimativa de julho.

"A incerteza em torno das perspectivas é excepcionalmente alta, mas os riscos para o crescimento são vistos como amplamente equilibrados", disse o Fundo na conclusão de suas consultas do Artigo IV, discussões bilaterais mantidas entre o Fundo e seus membros todos os anos.

No entanto, disse o FMI, a pandemia exacerbou os desafios de longa data para um maior crescimento e inclusão socioeconômica.

"O mercado de trabalho está atrasado em relação à recuperação da produção e a taxa de desemprego é alta, especialmente entre jovens, mulheres e afro-brasileiros”, disse o FMI.

Nesse sentido, o país precisa de mais esforços para aumentar a confiança do mercado e fortalecer as perspectivas de médio prazo.

O Fundo apontou necessidades específicas em termos de aumento da flexibilidade do mercado de trabalho formal e melhoria da governança, bem como fortalecimento das estruturas anticorrupção.

"Também são necessárias medidas para melhorar ainda mais o ambiente para o investimento do setor privado", disse o Fundo.

O Conselho do FMI se mostrou a favor da recente postura de política monetária "hawkish" (dura com a inflação) do Banco Central, conforme ele busca ancorar as expectativas de inflação. A inflação no Brasil é a terceira mais alta entre os países do G20, atrás da Argentina e da Turquia.

Nesta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) deve aumentar a taxa Selic pela quinta reunião consecutiva, em 1 ponto percentual, a 6,25% ao ano.

 

Tags: brasil, fmi

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: