Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Prévia

Internacional: fique por dentro das principais notícias dos mercados desta quarta-feira (29)

Aqui estão as informações que você precisa ter sobre os mercados financeiros hoje

29 setembro 2021 - 08h38Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - As ações dos EUA devem se recuperar após seu pior dia em meses.

O dólar diminui - mas apenas um pouco - em relação às altas de 10 meses, enquanto os rendimentos do Tesouro se estabilizam acima de 1,50%, à medida que o teatro político continua em Washington.

O presidente do Fed, Jerome Powell, senta-se para uma conversa com seus homólogos do BCE, Banco da Inglaterra e Banco do Japão, e os preços do petróleo caem de máximos de três meses após um aumento surpreendente nos estoques dos EUA.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quarta-feira, 29 de setembro:

1. Energia e combustíveis mais caros afetam a inflação

Como se não bastasse a crise hídrica que pressiona os reservatórios de água no país, os preços dos combustíveis também estão subindo, causando ainda mais inflação.

A alta do petróleo no mercado internacional fez com que a Petrobras (SA:PETR4) reajustasse pela primeira vez em 85 dias o preço do diesel nas refinarias de R$ 2,81 para R$ 3,06, uma alta de 8,89%.

A inflação será impactada principalmente porque a geração termelétrica está sendo usada como substituta para a hidrelétrica, por causa da falta de água nos reservatórios, e ela tende a ser uma produção mais cara.

Além disso, a alta nos combustíveis reflete diretamente nos preços dos fretes, o que ajuda a encarecer os produtos de forma geral.

A retomada da economia global está mantendo os preços do petróleo elevados. Ontem, o barril de Brent chegou a alcançar os US$ 80 durante o pregão, o maior valor em três anos, e fechou a US$ 78,63.

Isso deve indicar novos aumentos na política de preços da Petrobras no futuro próximo e o impacto dessa medida na inflação já é sinalizado pelo Banco Central, que prevê que o índice estará acima da meta em 2022, assim como neste ano.

Esta semana, o presidente Jair Bolsonaro chegou a questionar a política de preços da Petrobras, mas o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna assegurou que a empresa não mudará a sua metodologia e uma nota da empresa também reafirmou que os repasses dos preços internacionais não são imediatos, para evitar a volatilidade de eventos conjunturais.

2. China cai, Europa salta

Os mercados de ações chineses caíram, mas os europeus se recuperaram depois que um novo aumento nos rendimentos dos títulos desencadeou a maior queda em um dia em meses para os EUA.

Os índices de ações de referência da China caíram até 1,8% devido às crescentes preocupações de que o racionamento de energia atingirá a produção econômica no final do ano.

Os geradores estão reduzindo a produção de energia porque não podem lucrar vendendo a preços regulados quando os preços do carvão e do gás estão disparando.

A notícia de que a venda de US $ 1,5 bilhão de um investimento acionário pela China Evergrande não liberará quaisquer fundos para os detentores de títulos também foi mal recebida, aumentando o temor de grandes perdas para credores que não são politicamente priorizados.

Os mercados da Europa estavam em melhor forma, com os preços locais de energia no atacado diminuindo. A rotação mais ampla de volta para ações de valor e finanças também ajudou a maioria dos índices nacionais a subir mais de 1%.

3. O dólar diminui à medida que o drama do teto da dívida continua

O dólar caiu após 10 meses de alta, com a estabilização dos rendimentos dos títulos do Tesouro, em um cenário do que de olho nas discussões sobre o teto da dívida e as várias contas de gastos que estão sendo aprovadas no Congresso.

Às 7:15, o índice do dólar que mede o dólar em relação a uma cesta de seis moedas da economia avançada estava em 93,808, apenas marginalmente abaixo da alta de 93,905 divulgada na terça-feira.

O Congresso tem apenas dois dias para romper o impasse de financiamento do governo federal, antes de encerrar algumas de suas operações.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertou na terça-feira que o Tesouro ficaria sem dinheiro em 18 de outubro - ainda deixando muito tempo para se gabar e se exibir por legisladores de ambos os lados do corredor.

4. Powell deve se juntar ao bate-papo dos bancos centrais

O presidente do Federal Reserve Jerome Powell falará às 12:45 em um evento organizado pelo Banco Central Europeu, ao lado da presidente do BCE, Christine Lagarde, do governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey e o Governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda.

Os banqueiros centrais dos dois países ‘anglo-saxões’ sinalizaram uma provável mudança para o aperto da política monetária no curto prazo, enquanto Lagarde e Kuroda ainda estão mantendo o pedal do estímulo firmemente no chão.

Isso apesar dos sinais de que o aperto nos preços da energia é mais difícil e mais longo do que o planejado pelo BCE.

Os dados divulgados na quarta-feira mostraram que os preços de importação alemães aumentaram mais de 16% no ano, após outro aumento mensal maior do que o esperado em agosto, enquanto a inflação dos preços ao produtor italiano atingiu 11,6%, a maior em mais de 25 anos.

5. O aumento dos estoques nos EUA retira vapor da alta do petróleo

Os preços do petróleo bruto diminuíram (no caso de Brent) das máximas de três anos, após um aumento surpresa nos estoques dos EUA na semana passada.

O American Petroleum Institute disse que os estoques de petróleo aumentaram 4,2 milhões de barris, encerrando uma sequência de nove quedas semanais consecutivas, com seu maior aumento semanal desde abril.

Os números podem ou não ser corroborados por dados de inventário do governo dos EUA, que é divulgado às 11h30, como de costume.

Apesar dos dados da API, os analistas da Goldman Sachs (NYSE:GS)  (SA:GSGI34)argumentam que os estoques globais ainda estão caindo em uma média de 4,5 milhões de barris por dia porque a oferta não está acompanhando a demanda como outras economias ao redor do mundo se recuperar.

Eles preveem um preço de US $ 90 / barril no final do ano.

Os futuros do petróleo bruto caíram 0,8%, a $ 74,72 o barril.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: