Menu
Busca quarta, 27 de outubro de 2021
Ibovespa futuro

Realização de lucro no exterior derruba Ibovespa futuro na abertura

09 junho 2020 - 09h25Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - O índice futuro do Ibovespa inicia a sessão desta terça-feira a com perdas de 1,38% aos 96.215 pontos às 09h10, com o dólar avançando 1,13% a R$ 4,8776. O mercado mostra a tendência de um resultado negativo, com os investidores voltando as atenções para ativos de maior segurança depois da forte sequência positivas dos últimos dias. Com isso, o dólar mostra movimento positivo depois de quase nove dias de perdas, com os dados da economia europeia ainda fracos. Nas commodities, a fala da Arábia Saudita, que decidiu pelo fim dos cortes adicionais de produção a partir do próximo mês contribuem para a queda no preço do petróleo. Por aqui, o movimento de realização de lucros e nova fonte de preocupação com fiscal ameaçam encerrar sequência de atlas do Ibovespa, enquanto o Banco Mundial revisa PIB brasileiro de -10% para -8%; - Cenário Interno IGP-M O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou alta de 1,36% na primeira prévia de junho, deixando para trás o recuo de 0,32% no mesmo período do mês anterior sob o peso dos preços no atacado, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do IGP-M, teve no período avanço de 2,06%, contra queda de 0,35% na primeira prévia de maio. Os preços dos Bens Finais passaram a subir no período 2,21% contra queda de 0,41% antes, enquanto os Bens Intermediários tiveram alta de 1,13%, de recuo de 1,35% na primeira prévia de maio. Já os preços das Matérias-Primas Brutas aceleraram a alta de 0,69% a 2,81%. Os preços ao consumidor continuaram em queda, porém a uma taxa mais fraca, uma vez que Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, caiu 0,26% na primeira prévia de junho, contra recuo de 0,46% antes. Os destaques ficaram para as quedas de 0,90% em Transportes e de 0,87% em Educação, Leitura e Recreação, ante respectivamente deflação de 2,41% e 1,50% na leitura anterior. Mercado de trabalho O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) mostrou alguma melhora em maio depois de atingir o menor nível da série histórica no mês anterior, mas a permanência da incerteza prejudica as expectativas de uma recuperação definitiva do mercado de trabalho no curto prazo. A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta terça-feira que o IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, subiu 3,0 pontos em maio, para 42,7 pontos. Em abril, o indicador havia recuado para uma mínima da série histórica, acumulando perda de 52,6 pontos nos três meses a partir de fevereiro. “O resultado pode ser interpretado como uma acomodação do índice em patamar muito baixo considerando que esse ainda é o segundo menor valor da série”, disse em nota o economista da FGV Ibre Rodolpho Tobler. Coronavírus O Brasil registrou 15.654 novos casos de coronavírus nesta segunda-feira, totalizando 707.412 infecções, e mais 679 mortes, somando 37.134 óbitos em decorrência da Covid-19, de acordo com plataforma criada pelo Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) depois que o Ministério da Saúde mudou a forma de divulgação dos dados da pandemia. A plataforma, que compila dados das Secretarias Estaduais de Saúde, foi criada no fim de semana, após o Ministério da Saúde deixar de divulgar, a partir de sexta-feira, os números totais de casos e mortes provocadas pela Covid-19 no país e retirar do ar informações detalhadas sobre o avanço da pandemia, passando a informar apenas os dados das últimas 24 horas. No domingo, a pasta chegou a divulgar números divergentes de casos e de mortes relacionados à Covid-19, que posteriormente foram corrigidos. Ainda no domingo, o ministério informou que fará nova mudança na maneira de divulgar os dados da epidemia, passando a registrar os casos e óbitos na data da ocorrência, e não mais no dia de registro. A medida contraria o que é feito em todos os principais países do mundo. Reforma Tributária O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, destacou nesta segunda-feira a importância de se avançar com reformas fiscais passada a crise do coronavírus, principalmente a tributária, dizendo acreditar que “possivelmente” o governo federal encaminhará ao fim do mês de julho ou início de agosto a proposta da equipe econômica ao Congresso “Eu acredito, novamente, que até final de julho ou início de agosto a proposta do governo vá ao Congresso, e a gente vai ter todo o segundo semestre para discutir aí e criar algum consenso para aprovar algo de reforma tributária”, pontuou Mansueto em webinar organizada pela Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil. De acordo com ele, a orientação das discussões é “muito clara”. “A gente tem que reduzir o número de impostos, tornar regras mais simples e avançar, como falei, em uma certa estabilidade”, disse, destacando necessidade de maior segurança jurídica para investidores. - Cenário Externo Zona do euro A queda nos gastos das famílias e nos investimentos pressionou o Produto Interno Bruto da zona do euro no primeiro trimestre diante das consequências da pandemia de Covid-19, mas a contração foi levemente menor do que estimado anteriormente, disse a agência de estatísticas da União Europeia. A Eurostat informou que o PIB dos 19 países que usam o euro contraiu 3,6% sobre o trimestre anterior, chegando a uma queda de 3,1% na comparação com o primeiro trimestre do ano anterior. Economistas consultados pela Reuters esperavam uma leitura em linha com a estimativa inicial da Eurostat feita em meados de maio de recuo de 3,8% na base trimestral e de 3,2% na comparação anual. China Os índices acionários da China fecharam em alta nesta terça-feira, acompanhando os ganhos nos mercados em geral, uma vez que o afrouxamento das restrições devido ao coronavírus em muitos países continua a alimentar o otimismo sobre uma rápida recuperação econômica. O mesmo nível de otimismo da semana passada continua a impulsionar os ganhos dos mercados acionários agora, disse Pan Jingyi, estrategista de mercado do IG, em nota. PIB Global

A produção econômica global deverá contrair 5,2% em 2020 devido à pandemia, informou o Banco Mundial na segunda-feira, em seu último relatório Global Economic Prospects.

Prevê-se o encolhimento de 7% das economias avançadas em 2020, segundo o relatório, enquanto as economias emergentes irão contrair 2,5%, pela primeira vez desde que dados agregados foram disponibilizados em 1960.

Essas previsões prevêem uma desaceleração mais profunda do que as estimativas divulgadas em abril pelo Fundo Monetário Internacional, que previam uma contração global de 3,0% em 2020.

BOLSAS INTERNACIONAIS Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,38%, a 23.091 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,13%, a 25.057 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,62%, a 2.956 pontos.  O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,62%, a 4.047 pontos. A terça-feira é de perdas para os principais índices de ações da Europa. Em Frankfurt, o DAX perde 1,92% aos 12.580 pontos, com o FTSE, de Londres, cedendo 1,67% aos 6.364 pontos. Já em Paris, o CAC cai 1,73% aos 5.085 pontos. Em Nova York, o contrato Dow Jones 30 futuros caía 252 pontos ou 0,92%, enquanto o contrato S&P 500 futuros perdia 0,8% e o Nasdaq 100 futuros caía 0,34%. COMMODITIES Depois da forte alta da véspera, a jornada desta terça-feira foi de queda nos preços dos contratos futuros do minério de ferro, que são negociados na bolsa de mercadorias da cidade de Dalian, na China. O ativo com o maior volume de operações, com data de vencimento para setembro deste ano, cedeu 1,03% para 769,50 iuanes por tonelada, o que representa recuo de 8 iuanes em relação aos 777,50 iuanes de liquidação da véspera. No mesmo sentido, o segundo dia da semana teve como principal característica o recuo nas cotações futuras do vergalhão de aço, que são transacionados na bolsa de mercadorias da também chinesa cidade de Xangai. O contrato de maior liquidez, com data de entrega para outubro de 2020, cedeu 9 iuanes para 3.619 iuanes por tonelada. Já o de janeiro do ano que vem, segundo me negócios, perdeu 7 iuanes para 3.456 iuanes por tonelada. Os preços internacionais do petróleo passam por ajustes nesta terça-feira, com o recuo nas cotações nas principais praças. Em Londres, o barril do tipo Brent tem queda 0,86%, ou US$ 0,36, a US$ 40,41, enquanto que em Nova York, o WTI cai 0,79%, ou US$ 0,29, a US$ 37,91. MERCADO CORPORATIVO - Petrobras (SA:PETR4) A Petrobras informou que seu conselho de administração convocou os acionistas para se reunirem em assembleia geral extraordinária em 9 de julho, que será realizada de forma digital. A assembleia irá deliberar sobre proposta de revisão de requisitos adicionais de reputação ilibada para membros da alta administração e do conselho fiscal da companhia, bem como a inclusão dessas regras na política de indicação dos executivos, segundo comunicado. Entre as exigências adicionais estão não possuir participação em sociedades limitadas e anônimas de capital fechado que constem do cadastro da Petrobras e tenham transacionado com a empresa nos últimos 36 meses, bem como histórico livre de condenações judiciais por crimes contra o patrimônio ou administração pública e ausência de multas por órgãos de controle nos últimos cinco anos. - CSN (SA:CSNA3) A siderúrgica CSN informou que concluiu nesta segunda-feira as negociações para reperfilamento de 300 milhões de reais em dívidas com a Caixa Econômica Federal. Com o acerto, empréstimos cujo principal que tinham vencimentos entre este mês e setembro foram passados para entre 2021 e 2024, “sujeito ao cumprimento de certas condições pré-acordadas”, mas que não foram divulgadas pela companhia. A CSN afirmou que “segue negociando o alongamento de seu passivo financeiro, visando à preservação da liquidez necessária para executar sua estratégia de desalavancagem e geração de valor aos seus acionistas, e informará o mercado tão logo tenha concluído tais negociações”. - Raízen A Raízen Energia, joint venture da Shell e Cosan (SA:CSAN3), aprovou em assembleia duas emissões de debêntures, totalizando cerca de 1,25 bilhão de reais, para captação de recursos que serão utilizados em investimentos na operação, disse a companhia em comunicado nesta segunda-feira. Uma das emissões da produtora de açúcar e etanol tem o valor estimado em 169,5 milhões de reais e outra em 1,08 bilhão, com a operação marcada para ocorrer no dia 15 de junho. Segundo a empresa, o vencimento será de até dez anos, a contar da data de emissão. Os recursos da chamada ‘5ª Emissão’, no valor de 169,5 milhões, “serão destinados, integral e exclusivamente... ao reembolso de gastos, despesas ou dívidas da Companhia com a manutenção da atividade de produção de etanol, por meio do investimento na renovação de canaviais para cultivo de cana-de-açúcar destinada à produção de etanol”. Já a outra emissão terá os recursos destinados a “investimentos e necessidades de financiamento relacionadas com a produção, comercialização, beneficiamento ou industrialização de produtos ou insumos agropecuários ou de máquinas e implementos utilizados na atividade agropecuária, em especial com relação à produção e comercialização de açúcar e etanol de cana-de-açúcar”, disse a empresa. A Raízen informou ainda que a chamada ‘6ª Emissão’, com títulos de crédito de até 1,08 bilhão, será destinada à formação do lastro para Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). Antes da operação, a companhia realizará um processo de ‘bookbuilding’ para identificar o interesse do mercado nos ativos. “Será adotado o procedimento de coleta de intenções de investimento dos potenciais investidores no âmbito de cada Oferta Restrita, sem lotes mínimos ou máximos... da demanda das Debêntures e dos CRA; da existência de cada série de cada Emissão e; consequentemente, da quantidade de Debêntures a ser alocada em cada série de cada Emissão.” - Consumo Metade dos brasileiros reduziu as despesas após desdobramentos da pandemia do coronavírus, revelou uma pesquisa do Ibope Inteligência e divulgada nesta segunda-feira. De acordo com o levantamento, encomendado pelo C6 Bank, 89% das pessoas das classes A, B e C, com acesso à internet, mudaram os hábitos em relação ao dinheiro após a crise. E 51% dos entrevistados revelaram ter diminuído gastos e que 27% passaram a guardar mais recursos para possíveis incertezas no futuro. Em outra frente, 22% já começaram a atrasar o pagamento de boletos, contas ou outros compromissos financeiros. - Elétricas Empresas que operam no setor elétrico do Brasil têm adotado medidas que incluem até o confinamento de equipes nos locais de trabalho por dias a fio como forma de garantir que as luzes continuarão acesas à medida que crescem os casos confirmados e as mortes por coronavírus no maior país da América Latina. O Brasil tornou-se no final de maio a segunda nação com mais registros oficiais de Covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Segundo dados do Ministério da Saúde no domingo, o país somava até então 37,3 mil mortes pela doença contagiosa, com 685,4 mil infectados. As subsidiárias locais das elétricas europeias EDP (SA:ENBR3) e Engie (SA:EGIE3) estão entre as que já colocaram técnicos sob isolamento restrito para evitar interrupções do fornecimento de energia, assim como as transmissoras de energia Cteep, da colombiana Isa, e Argo, controlada pela colombiana Energía Bogotá e pela espanhola Red Eléctrica, disseram as empresas à Reuters. Na estatal Eletrobras (SA:ELET3), maior elétrica da América Latina, ações mais severas como essas ainda não foram tomadas, mas a companhia já começou a se preparar para eventual cenário em que o procedimento se torne necessário ao menos em seus centros de operação vistos como mais estratégicos. “Encontra-se em fase de finalização um protocolo de isolamento, para caso venha a ser necessária a adoção em pontos bem específicos da operação”, explicou a empresa em nota. AGENDA DE AUTORIDADES - Jair Bolsonaro A segunda-feira do presidente da República começa com a 34ª reunião do Conselho de Governo. Na parte da tarde, se reúne com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. - Paulo Guedes - 34ª Reunião do Conselho de Governo com o presidente da República , Jair Messias Bolsonaro; - Videoconferência com o secretário especial da Receita Federal, José Tostes; - Videoconferência com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco. *Com Reuters
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: