Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Petróleo fecha pior mês desde março à medida que os bloqueios ressurgem

30 outubro 2020 - 18h09Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - Os preços do petróleo caíram pelo terceiro dia consecutivo nesta sexta-feira (30), rumando para seu pior mês desde março, com novas restrições impostas a negócios e pessoas na França e na Alemanha para impedir a propagação do coronavírus levando a temores de bloqueios mais amplos na Europa e em outros lugares.

O West Texas Intermediate negociado em Nova York, o principal indicador para os preços do petróleo nos EUA, caía 47 centavos de dólar, ou 1,3%, a US$ 35,70 por barril às 17h32 (horário de Brasília). Na quinta-feira, o WTI atingiu US$ 34,93 por barril, caindo abaixo de US$ 35 pela primeira vez desde meados de junho.

Na semana, o WTI caiu mais de 11%, sua maior perda semanal desde abril, enquanto no mês mostrou uma perda de mais de 12%, a maior queda desde março.

O Brent negociado em Londres, a referência global para o petróleo, caía 42 centavos, ou 1,1%, para US$ 37,84 por barril. O Brent registrou uma perda semanal de mais de 10% e caiu mais de 8% em outubro.

O presidente francês Emmanuel Macron ordenou que as pessoas permaneçam em suas casas, exceto para atividades essenciais, como comprar alimentos ou obter cuidados médicos, informou a Reuters. Isto segue a implementação de toques de recolher noturnos em várias áreas metropolitanas, incluindo Paris, bem como uma ordem no início deste mês para fechar bares e implementar protocolos rígidos em restaurantes na capital.

A vizinha Alemanha ordenou que serviços não essenciais, como restaurantes e bares, sejam fechados por pelo menos um mês, enquanto outros países da UE, como Itália e Espanha, também reduziram as vagas.

A Irlanda e o Reino Unido também implementaram restrições para conter a disseminação do vírus.

As medidas ocorreram no momento em que a Europa registrou 1,3 milhão de novos casos nos últimos sete dias, informou a Reuters, citando dados da Organização Mundial de Saúde. A Europa também relatou mais de 11.700 mortes, um aumento de 37% em relação à semana anterior.

Nos Estados Unidos, o governador de Nova Jersey, Phil Murphy, disse que um toque de recolher em todo o estado era possível depois de 2.089 novos casos positivos para Covid-19, o maior número em quase seis meses.

Os EUA como um todo registraram quase 9 milhões de casos de coronavírus e quase 230.000 mortes pelo vírus.

Os preços do petróleo têm estado sob pressão desde que a Administração de Informação de Energia informou na quarta-feira um aumento de 4,3 milhões de barris em estoques de petróleo na semana passada, cerca de quatro vezes mais do que o esperado.

O crescimento reforçou as preocupações sobre o esgotamento da demanda por combustível, apesar de os estoques de gasolina e estoques de destilados terem caído.

A liquidação de sexta-feira também foi exacerbada por um aumento na contagem semanal de plataformas de petróleo dos EUA da empresa do setor Baker Hughes, que relatou um aumento de 10 sondas nesta última semana. Um aumento nas plataformas de petróleo é indicativo de maior produção futura.

Mais pressão do petróleo veio da liquidação em Wall Street, em que o Dow caiu mais de 1,5% no dia, indo para sua pior semana e mês desde março.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: