Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Boeing

Considerada empresa de ponta, Embraer aumenta concorrência da Boeing

28 janeiro 2020 - 11h09Por Eduardo Guimaraes
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou ontem o acordo entre Embraer (EMBR3) e Boeing. Por ter sido autorizada sem restrições, a operação não precisou passar pelo crivo do plenário do órgão antitruste. A avaliação é de que o negócio, anunciado oficialmente em 2018, não tem efeitos concorrenciais, já que as duas empresas não disputam o mesmo mercado de jatos. O governo brasileiro manterá seus direitos preferenciais por meio da chamada "golden share" sobre a Embraer, mas não sobre o negócio de aviação comercial, que passará ao controle exclusivo da Boeing. A operação ainda precisa de aprovação da União Europeia, que no início do mês prorrogou o prazo para uma decisão para 30 de abril.

E Eu Com Isso?

O avanço do negócio com a Boeing é positivo para a companhia. Para a Embraer, o risco de manter-se sozinha era o de ficar de fora de uma das grandes cadeias mundiais de produção e, num prazo de talvez uma década, ver seus horizontes comerciais se fecharem. A área de engenharia da empresa paulista é vista como de ponta, e poderia injetar dinamismo no setor da americana já que a Boeing não possuía uma linha de aviação civil de caráter regional, com aeronaves menores, de 70 a 130 lugares. A rival europeia da Boeing, Airbus, tinha o mesmo problema e o resolveu comprando o controle da família regional C-Series, da canadense Bombardier, adversária histórica da Embraer.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: