Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
destaques

Destaques do dia: indústria chinesa cresce e títulos da África do Sul no "lixo"

01 novembro 2019 - 08h51Por Investing.com
Investing.com - É o dia das folhas de pagamento, o famoso Payroll! O relatório do mercado de trabalho de outubro nos EUA será publicado às 9h30 (horário de Brasília), mas espera-se que seja fortemente distorcido pela greve da General Motors (NYSE:GM). Enquanto isso, as fábricas da China enviaram boas notícias pela primeira vez, enquanto os estoques do Brexit mantiveram o Reino Unido em funcionamento por mais um mês. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta sexta-feira, 1º de novembro. 1. Dia da folha de pagamento, com uma forte influência da GM Dois dias depois que o Federal Reserve disse que seria necessária uma nova deterioração no cenário econômico para justificar outros cortes nas taxas de juros, a Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dirá ao mundo como o mercado de trabalho dos EUA se saiu em outubro. A greve na General Motors (NYSE:GM), sem dúvida, distorceu o número principal do crescimento das folhas de pagamento não-agrícola, e a previsão de 89.000, em relação 136.000 em setembro, é só uma espécie de palpite. De qualquer forma, a ideia de que a criação de empregos está desacelerando em um cenário de mínima de várias décadas na taxa de desemprego não é nova. Os indicadores mais confiáveis ​​serão as horas semanais médias e os ganhos horários médios, que irão esclarecer se os trabalhadores estão ganhando mais poder de compra à medida que o estoque de mão-de-obra disponível seca. 2. Setor industrial da China cresce As fábricas do setor privado da China aceleraram o ritmo em outubro, com a demanda interna e externa aumentando significativamente, de acordo com uma pesquisa da empresa de pesquisa IHS Markit e Caixin. O índice industrial de gerentes de compras subiu para 51,7, de 51,4 em setembro. Isso indica a taxa de expansão mais rápida desde outubro de 2017 e desafiou as expectativas de outra queda relacionada à guerra comercial. A melhoria deveu-se em parte à decisão dos EUA de isentar temporariamente mais de 400 tipos de produtos chineses da última rodada de tarifas de importação. Reportagens recentes da imprensa que demonstram a relutância de ambos os lados em abrir mão do comércio naturalmente lançam dúvidas sobre se essa isenção permanecerá, apesar da pressão sobre as lideranças de ambos os países para aliviar a pressão em suas economias declarando algum tipo de trégua. 3. Ações devem abrir em alta Os futuros dos EUA devem abrir com uma recuperação apoiados nas notícias do PMI chinês, embora haja pouca chance de novas tentativas de recorde antes do relatório das folhas de pagamento. Às 7h30, os contratos futuros da Dow subiam 53 pontos, ou 0,2%, enquanto o S&P 500 Futuros também subia 0,2% e os futuros da Nasdaq 100 subiam 0,3%. Durante noite, as ações europeias também foram apoiadas pelas notícias chinesas, embora os mercados asiáticos sejam um grupo mais misto, já que a maioria dos PMIs da região não foi tão longe quanto o Caixin. 4. Estoques do Brexit sustentam a economia do Reino Unido É novembro e o Reino Unido ainda está na União Europeia, apesar da aposta do primeiro-ministro Boris Johnson de “Fazer ou morrer” para cumprir o prazo de 31 de outubro, já adiado duas vezes. A libra teve seu valor mais alto em mais de uma semana em relação ao dólar, mas os analistas vêem o lado positivo daqui como limitado, dada a perspectiva de pelo menos mais dois meses de incerteza. Os estoques antes do suposto dia do Brexit sustentaram a sétima maior economia do mundo em outubro, o PMI de fabricação da Markit subia para 49,6, de 48,3 em setembro. Dentro disso, o subíndice de estoques subiu de 53,6, para 55,6, compensando a fraqueza contínua em novos pedidos, produção e contratação. Enquanto isso, o presidente Donald Trump disse a uma rádio LBC hospedada pelo arqui-Brexiteer Nigel Farage, que o acordo proposto por Johnson com a União Europeia dificultaria o Reino Unido a fechar um acordo comercial com os EUA. Trump também pediu que Farage estabelecesse um pacto eleitoral com Johnson, do Partido Conservador para garantir uma clara maioria pró-Brexit nas Eleições Gerais agendadas para 12 de dezembro. 5. Problemas da África do Sul para os mercados emergentes? A empresa de classificação de risco Moody's decidirá mais tarde na sexta-feira se vai rebaixar ou não os títulos soberanos da África do Sul para o status de 'lixo', em face de um problema orçamentário crescente causado por anos de crescimento abaixo da média, escândalos de governança e - mais recentemente - uma multa cara para o monopólio nacional da eletricidade Eskom. A Moody's - a última das principais empresas de classificação a ter um grau de investimento para a África do Sul - manterá seu rating no nível mais baixo de grau de investimento de Baa3 (talvez alterando a perspectiva de 'estável' para 'negativo' ou abaixo disto). Um rebaixamento significaria que a dívida do país não é mais elegível para todos os fundos restritos ao investimento em papéis com grau de investimento. O dólar subiu mais de 3% em relação ao rand esta semana em antecipação a um rebaixamento, levando seus ganhos acumulados no ano a mais de 5%. Um rebaixamento significaria uma semana de volatilidade para os mercados emergentes, após a vitória dos peronistas de esquerda nas eleições argentinas no último fim de semana.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: