Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: covid-19 nos EUA e proibição do TikTok

03 agosto 2020 - 09h20Por Investing.com

Por Peter Nurse - Investing.com - O TikTok, a rede social mais popular da quarentena, se tornou o mais recente ponto de inflamação entre os governos chinês e norte-americano, à medida que a Microsoft conversa para a compra da rede social pertencente à chinesa ByteDance.

Wall Street deve ter um início de semana tranquilo, com o prosseguimento da temporada de balanço. Os investidores estarão de olho em Washington para obter mais notícias sobre outro pacote fiscal de socorro enquanto o surto de coronavírus entra em uma nova fase. 

Os dados econômicos estão voltados para a divulgação do ISM hoje, antes do principal relatório de emprego na sexta-feira. 

Veja o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 3 de agosto.

1. TikTok em destaque

O aplicativo chinês de compartilhamento de vídeo TikTok se tornou o mais recente ponto de inflamação na deterioração do relacionamento entre as duas superpotências econômicas do mundo, os EUA e a China.

No entanto, a Microsoft (NASDAQ:MSFT) pode ter a resposta para esse problema específico depois que a gigante tecnológica dos EUA confirmar que está mantendo conversas com a Bytedance, proprietária do aplicativo, sobre a compra das operações nos EUA.

O chefe da Microsoft, Satya Nadella, conversou com o presidente Donald Trump sobre a aquisição no domingo, informou a empresa de tecnologia, e a Reuters informou na segunda-feira que o presidente agora deu à Microsoft 45 dias para negociar um acordo.

Uma oferta bem-sucedida da Microsoft pelo aplicativo popular o tornaria imediatamente um grande concorrente para gigantes de mídia social como o Facebook (NASDAQ:FB) e o Snapchat (NYSE:SNAP).

Trump já havia prometido banir o aplicativo, com o governo dos EUA afirmando que ele representa um risco de segurança nacional por causa dos dados pessoais que ele manipula. Isso segue a posição de linha dura que os EUA assumiram sobre as empresas chinesas que consideram conter tecnologia crítica.

Acredita-se que o aplicativo de vídeo de formato curto TikTok tenha cerca de meio bilhão de usuários ativos em todo o mundo - e cerca de 80 milhões nos EUA - com uma grande proporção deles na adolescência ou no início dos 20 anos.

A proibição do aplicativo pode alienar muitos desses jovens usuários do TikTok antes da eleição presidencial dos EUA em novembro, uma eleição que provavelmente será disputada.

2. O coronavírus “extraordinariamente difundido” nos EUA - Birx

Os casos de coronavírus continuaram a aumentar em partes dos EUA, com julho sendo o pior mês para novos casos desde o início da pandemia. Além disso, especialistas em coronavírus da Casa Branca alertaram no domingo que o país está em uma nova fase do surto.

"Estamos em uma nova fase", disse a Dra. Deborah Birx. "O que estamos vendo hoje é diferente de março e abril. É extraordinariamente difundido" nas áreas rurais e urbanas.

"Para todos que vivem em uma área rural: você não está imune ou protegido contra esse vírus", afirmou Birx.

O vírus já matou mais de 150.000 pessoas nos EUA, de longe o maior número de mortos no mundo, além de mais de meio milhão de pessoas globalmente.

Com isso em mente, os investidores estarão de olho em Washington, onde o Congresso ainda está em um impasse sobre a próxima rodada de alívio econômico da pandemia.

O chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, disse no domingo que não estava otimista em chegar a um acordo em breve para a próxima rodada de legislação.

Na sexta-feira, dezenas de milhões de norte-americanos perderam um benefício federal de seguro-desemprego de US$ 600 por semana.

3. Balanços corporativos positivos ajudam os mercados de ações dos EUA

Os mercados de ações dos EUA estão praticamente inalterados na segunda-feira, com o índice Nasdaq definido para superar o desempenho de sexta-feira devido aos fortes ganhos dos gigantes da tecnologia na semana passada. As notícias de Washington (veja acima) e a temporada de balanços em andamento serão fatores-chave nesta semana, antes do relatório oficial de emprego de sexta-feira.

Às 8h48 (horário de Brasília), o contrato Dow futuros subia 107 pontos, ou 0,4%, enquanto o contrato S&P 500 futuros subia 0,5% e o contrato futuro do Nasdaq 100 subia 0,9%.

Esses índices tiveram um forte julho. O Dow Jones Industrial Average ganhou 2,4%, o S&P 500, 5,5%, seu melhor julho em 10 anos, e o Nasdaq Composite aumentou 6,8%.

Esta semana traz outra série de ganhos, com 130 membros do S&P 500 programados para divulgar seus resultados. Na segunda-feira há Tyson Foods (NYSE:TSN) e Clorox (NYSE:CLX) antes da abertura e Virgin Galactic (NYSE:SPCE) após o fechamento.

"Até o momento, 63% das empresas do S&P 500 relataram resultados reais para o segundo trimestre de 2020", disse John Butters, da Factset, em nota aos clientes. “Em termos de ganhos por ação, a porcentagem de empresas que ficaram efetivamente acima das estimativas (84%) está acima da média de cinco anos. Se 84% for o percentual final do trimestre, marcará o maior percentual de empresas do S&P 500 que reportam uma surpresa positiva desde que o FactSet começou a rastrear essa métrica em 2008.”

4. Índice industrial ISM deve mostrar crescimento

relatório de empregos na sexta-feira será o principal lançamento econômico nesta semana, mas, antes disso, o índice industrial do Institute for Supply Management deve ser divulgado às 11h.

Espera-se que os dados mostrem uma pequena recuperação para 53,6 em julho, ante 52,6 no mês anterior, sugerindo que essa parte da economia permanece em território de expansão, embora as medidas de contenção que foram reintroduzidas em alguns estados na segunda metade do mês possam criar um surpresa negativa.

Mais cedo, a atividade industrial na zona do euro expandiu-se pela primeira vez desde o início de 2019, com o índice industrial de gerentes de compras do IHS Markit saltando para 51,8 em julho, a partir de 47,4 de junho.

As notícias também foram positivas na Ásia, já que o PMI de fabricação de Caixin, subiu para 52,8, ante 51,2 no mês anterior, seu nível mais alto desde janeiro de 2011.

Na sexta-feira, o índice oficial de gerentes de compras da China subiu em julho para 51,1, ante 50,9 no mês anterior, de acordo com o Departamento Nacional de Estatísticas.

5. Dólar fraco ajuda ouro, Teosuro em alta

dólar teve um péssimo julho, sofrendo sua maior queda mensal em três anos.

Os investidores têm se preocupado com a explosão de casos de coronavírus nos Estados Unidos, em meio a temores de que uma resposta ineficaz possa resultar em danos permanentes à economia dos EUA, que podem manter as taxas de juros e o crescimento baixos por anos.

"Este não é o declínio benigno do dólar que tínhamos pensado, mas sim, uma aparentemente queda impulsionada por um novo prêmio de risco sendo inserido nos mercados de ativos dos EUA devido a um ressurgimento nos casos de Covid-19", disseram analistas do ING em uma nota de pesquisa.

Isso resultou em um preço alto para o ouro, que subiu mais de 9% no mês de julho para máximas de todos os tempos. O metal amarelo é denominado em dólares e, portanto, mais barato para investidores fora dos EUA, além de ser visto como uma reserva de valor durante a incerteza geopolítica.

Os títulos do Tesouro dos EUA também estão sendo procurados, com os rendimentos do Tesouro de cinco anos caindo para um recorde depois que o Federal Reserve na semana passada entregou uma mensagem conciliadora de apoio à economia dos EUA atingida por coronavírus.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: