quinta, 02 de dezembro de 2021

Risco político já estava embutido nas ações do BB, dizem analistas

14 janeiro 2021 - 12h25Por Investing.com

Por Ana Carolina Siedschlag, da Investing.com - A possível saída, ou ao menos a ameaça de demissão do presidente do Banco do Brasil (SA:BBAS3), André Brandão, reitera os riscos de ingerência política no banco estatal, mas que já estão parcialmente embutidos no preço e não devem interferir nos fundamentos da ação, disseram analistas sobre os rumores de troca de comando da companhia que circulam na mídia desde quarta-feira (13).

Segundo agências de notícias, o presidente Jair Bolsonaro teria se irritado com as medidas do programa de reestruturação da instituição anunciadas recentemente, que incluem o fechamento de agências e dois programas de demissão voluntária.

Para Leo Monteiro, analista da Ativa Investimentos, a reorganização anunciada pelo BB é uma tendência do setor, que já teve medidas similares no Itaú (SA:ITUB4) e no Bradesco (SA:BBDC4), e que tem a ver com a maior competição de bancos digitais e iniciativas de open banking.

“Brandão entrou com a promessa de modernização, e o anúncio de segunda-feira foi a primeira atuação real nesse sentido. Essa interferência dois dias depois dá sinais de ingerência política e mina muito a expectativa do mercado de qualquer guinada liberal da gestão do banco”, diz.

Ele diz, no entanto, que a ameaça de interferência já estava embutida no preço do papel e que o ativo segue interessante pela carteira de crédito robusta, focada em setores menos afetados pela pandemia, como o agro.

Desconto ante pares

Para os analistas da XP Investimentos, em relatório, apesar do risco, a recomendação ainda é de Compra para a ação, com preço-alvo de R$ 43 por conta do desconto de 15% ao valor patrimonial e de sete vezes o preço sobre o lucro esperado para 2021.

Eles também citam a boa carteira de crédito do banco, com menor exposição a receitas de serviços, a posição digitalmente competitiva e “vitaminas de curto prazo”, que poderiam aumentar os ganhos por meio de um menor custo de captação e provisões operacionais.

O Banco do Brasil divulgou fato relevante na manhã desta quinta-feira (14) afirmando não ter recebido nenhuma comunicação oficial a respeito da destituição de Brandão do comando da estatal. Já Bolsonaro se manteve em silêncio quando indagado sobre o assunto por um apoiador na porta do Palácio da Alvorada.

Perto das 12h30, as ações ordinárias do BB subiam 0,45%, a R$ 37,72, após caírem quase 5% na véspera. Nos últimos 30 dias, o papel acumula queda de 2,55% e de 23,2% nas últimas 52 semanas. 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content