Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Commodities

Preços do petróleo ficam estáveis enquanto assinatura do estímulo por Trump ajuda ativos

28 dezembro 2020 - 11h44Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo bruto permaneceram praticamente inalterados na segunda-feira (28), com a mudança de opinião do presidente Donald Trump sobre a assinatura do pacote de ajuda pela Covid-19 de US$ 900 bilhões apoiando ativos de risco de todos os tipos.

Trump inicialmente se recusou a assinar o pacote, em uma medida que parecia destinada a constranger os republicanos do Senado, que reconheceram o veredicto do Colégio Eleitoral quando este declarou Joe Biden o vencedor da eleição de novembro.

Embora os democratas da Câmara tenham indicado que apoiarão a pressão por cheques de estímulo direto mais altos para as famílias em uma votação marcada para segunda-feira, o Senado liderado pelo Partido Republicano foi amplamente responsável por limitar os pagamentos em US$ 600.

Às 11h26, os futuros do petróleo dos EUA caíam 0,1%, a US$ 48,16 o barril, enquanto o benchmark internacional Brent operava estável em US$ 51,34 o barril. Ambos os contratos estão apenas um pouco abaixo das máximas de nove meses que registraram antes do fim de semana de Natal.

Os futuros da gasolina RBOB caíam 0,2%, a US$ 1,3694 o galão.

Outro fator que apoiava indiretamente o mercado era a expectativa de um início razoavelmente tranquilo para os novos acordos comerciais entre o Reino Unido e a UE. Um acordo de última hora antes do feriado de Natal permitirá que o comércio de mercadorias continue sem cotas ou tarifas, mas deixa muitos outros pontos obscuros.

Alguns analistas estão alertando para não levar a alta atual longe demais, cientes das pressões de curto prazo sobre a demanda por uma pandemia que ganhou força em grande parte do hemisfério norte no mês passado.

A Rystad Energy espera um mercado amplamente equilibrado em janeiro, com oferta e demanda oscilando entre 77,7 e 77,8 milhões de barris por dia, mas espera superávits modestos no resto do primeiro trimestre, já que a oferta está moderadamente à frente do crescimento da demanda. A expectativa é que o mercado oscile para um déficit cada vez maior a partir de maio.

Uma das grandes incógnitas dos próximos 12 meses é a trajetória de abastecimento do Irã, historicamente um grande exportador. Suas exportações diminuíram substancialmente sob a pressão do governo Trump, mas muitos esperam que a pressão diminua com o novo governo.

“Uma mudança de administração nos EUA pode significar que o Irã volte mais rápido do que antecipamos em nosso cenário base atual”, disse Bjornar Tonhaugen da Rystad em comentários por e-mail, “seja porque a equipe de Biden decida remover as sanções por completo ou porque países como a China ou a Índia sintam-se confiantes o suficiente de que o novo governo fechará os olhos às sanções existentes e aumentará as importações”.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: