sábado, 22 de janeiro de 2022
[Square Banner - Mobile Topo 2] [300x250] [mobile] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
[SpaceNow Desktop] [200x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
[SpaceNow Mobile] [150x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
Prévia

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira (10)

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros

10 agosto 2021 - 09h16Por Investing.com
[Billboard Topo 2] [970x250] [pagina-inicial] - Melhores oportunidades 2022

Por Peter Nurse e Ana Julia Mezzadri, da Investing.com - Brasília segue no foco dos investidores, com atenção para a PEC dos Precatórios, o novo Bolsa Família e a votação da proposta que institui o voto impresso.

Os investidores estarão atentos, ainda, ao IPCA de julho, à ata do Copom e os últimos balanços da movimentada semana de resultados no Brasil.

No exterior, o debate sobre a redução dos estímulos monetários do Federal Reserve se intensifica, enquanto a temporada de balanços corporativos nos EUA continua. Os preços do bitcoin e do petróleo estão em alta.

[04] [Square Detalhe Notícia] [300x250] [geral] Melhores investimentos 2022

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na terça-feira, 10 de agosto.

1. PEC dos Precatórios
Seguem a repercussão das novidades em torno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que prevê entrada de 15% e nove parcelas para precatórios acima de R$ 66 milhões.

Como também da remodelação do Programa Bolsa Família, que deve passar de R$ 35 bilhões para R$ 53 bilhões ao ano, mas deve permanecer dentro do teto de gastos, além de ser renomeado para Auxílio Brasil.

Também em Brasília, a Câmara dos Deputados deve votar a PEC que institui o voto impresso no plenário.

Além disso, o mercado aguarda a divulgação do IPCA de julho às 9h. A expectativa do mercado é de 0,94%, contra 0,53% no mês passado.

Mais cedo, o Banco Central divulgou a ata do Copom, que indicou que apertos seguidos e sem interrupção nos juros básicos são necessários para levar a taxa Selic para patamar acima do neutro, para que assim as projeções de inflação fiquem na meta.

Finalmente, a temporada de balanços segue no radar. Devem repercutir, hoje, os números reportados por Minerva (SA:BEEF3), São Martinho (SA:SMTO3), Itaúsa (SA:ITSA4), Iguatemi (SA:IGTA3), Even (SA:EVEN3), Direcional (SA:DIRR3), Mitre (SA:MTRE3) e BTG Pactual (SA:BPAC11).

2. Debate sobre redução dos estímulos nos EUA se intensifica
O mercado não será capaz de acusar o Federal Reserve (Fed) de falta de comunicação se o banco central começar a conter seu estímulo monetário extraordinário ainda este ano.

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, juntou-se na segunda-feira a um coro crescente de formuladores de políticas dizendo que o banco central deveria agir rapidamente, dizendo que poderia reduzir suas compras de ativos com mais um ou dois meses fortes de ganhos de emprego.

Seu colega de Boston, Eric Rosengren, sugeriu setembro para um anúncio de redução, combinando com os comentários anteriores do presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, que sugeriu que a redução poderia ser iniciada no outono e terminar em março.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, continua o diálogo na terça-feira e a presidente do Fed de Kansas City, Esther George, deve falar na quarta-feira.

As autoridades do Fed começaram a debater quando e como deveriam reduzir as compras de ativos de US$ 120 bilhões mensais em sua reunião de julho, prometendo manter isso "até que um progresso substancial" seja feito em direção às suas metas de emprego máximo e inflação de 2%.

3. Futuros de NY estáveis; AMC em foco
As ações dos EUA devem abrir praticamente inalteradas, com os investidores ainda digerindo a atual temporada de balanços.

Às 08h52, Dow Jones futuros e S&P 500 futuros operavam estáveis, enquanto Nasdaq futuros tinham leve alta de 0,14%. O EWZ, fundo de índice que mede o desempenho das ações brasileiras em Wall Street, avançava 0,21% no pré-mercado.

AMC Entertainment (NYSE:AMC) deve estar no centro das atenções depois que a problemática rede de cinemas relatou uma perda menor do que o esperado após o fechamento de segunda-feira, também anunciando que começaria a aceitar Bitcoin em todas as localidades dos EUA este ano .

A Coinbase Global (NASDAQ:COIN deve relatar os resultados trimestrais na terça-feira, com as ações da exchange recebendo um impulso das recentes altas acentuadas em bitcoin.

Provavelmente para pesar sobre o sentimento foi a fraca estreia comercial da empresa sul-coreana Krafton, apoiada pela Tencent Holdings (HK:0700), fechando 8,8% do preço do IPO, com analistas citando uma avaliação cara e riscos de regulamentação da China.

4. Bitcoin recebe impulso regulatório dos EUA
O Bitcoin está em leve queda, mas sustentando os US$ 45 mil, com a maior criptomoeda por capitalização de mercado impulsionada pela notícia de que os legisladores dos EUA chegaram a um acordo sobre as disposições fiscais da criptomoeda.

Às 08h56, o Bitcoin era negociado a US$ 45.365, baixa de 1,22% no dia, tendo ultrapassado US$ 46.000 antes, um novo recorde de três meses.

Cresceram as preocupações de que a definição livre original de “corretor” na tão aguardada conta de infraestrutura significaria que certas empresas de criptografia sofreriam de restrições de relatórios regulamentares pesadas, potencialmente sufocando a inovação no espaço da criptografia.

No entanto, alguns senadores revelaram uma emenda na segunda-feira, que visa isentar da legislação as entidades do tipo não corretoras.

5. Petróleo salta, mas o sentimento ainda é fraco
Os preços do petróleo saltaram na terça-feira, depois de cair para mínimos de três semanas durante a sessão anterior, em meio a temores de que o número crescente de casos de Covid-19, principalmente na China, reduzirá a demanda de petróleo.

Às 08h58, os contratos futuros do petróleo WTI subiam 1,7% a US$ 67,61 o barril, após cair 2,6% na segunda-feira, enquanto os futuros do Brent avançavam 1,38% a US$ 70,00 o barril, tendo caído 2,3% durante a sessão anterior.

A variante delta do coronavírus, que se espalhou rapidamente, chegou à China, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, resultando em renovadas restrições de mobilidade, com as viagens aéreas domésticas sendo duramente atingidas.

Isso levantou preocupações sobre as perspectivas de demanda de curto prazo e interrompeu uma forte recuperação, que viu os preços subirem mais de 50% no primeiro semestre do ano.

A atenção agora se voltará para a liberação de dados de suprimento de petróleo bruto dos EUA do American Petroleum Institute mais tarde na sessão, como uma medida sobre se os casos crescentes da Covid nos EUA também tiveram um impacto.
 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content