Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Destaques do dia

Destaques: votação da PEC Emergencial e alta nos Treasuries norte-americanos

04 março 2021 - 09h33Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Carolina Siedschlag, da Investing.com - A liquidação de ações de tecnologia se torna um fenômeno global, com fortes perdas para o setor na Ásia e na Europa.

No Brasil, a aprovação da PEC Emergencial em 1º turno, sem a contrapartida sobre o Bolsa Família, deve ajudar a acalmar parte do mercado.

Os rendimentos dos títulos de dez anos dos EUA se estabilizam em uma faixa perto de 1,47%, antes do último discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, antes da próxima reunião de política monetária da autarquia. Os pedidos de seguro-desemprego ficam no radar, enquanto a OPEP se reúne com a Rússia para definir as cotas de produção para abril.

Aqui está o que está movimentando os mercados na quinta-feira, 4 de março.

1. Calma depois da tempestade

O Ibovespa deve começar o dia longe das fortes oscilações da véspera, que o levaram de uma queda de mais de 3% a uma alta em poucos minutos, para depois fechar o pregão em território negativo novamente por conta das negociações para a aprovação da PEC Emergencial no Senado.

Durante a tarde, as discussões das lideranças na casa para a exclusão do Bolsa Família do cálculo do Teto de Gastos gerou volatilidade exarcebada entre os ativos brasileros, por receios pelas contas públicas já extremamente comprometidas do país. O dólar, que chegou a bater R$ 5,77, operava nesta manhã em baixa de 0,32%, a R$ 5,60 às 09h40.

Já o EWZ, o pricipal ETF brasileiro negociado em Nova York, subia 1,58% na pré-abertura em Wall Street.

2. Liquidação global de tecnologia continua; metais também são atingidos

A venda de ações de tecnologia em todo o mundo continuou durante a noite, depois que outro aumento nos rendimentos dos títulos desencadeou perdas acentuadas no Nasdaq Composto na quarta-feira (3).

O índice CSI 300 da China perdeu mais de 3% na sessão de quinta-feira, enquanto o KOSPI da Coreia do Sul caiu 1,5%. O índice Euro Stoxx Technology também caiu quase 3%, com fabricantes de chips e empresas de pagamentos na ponta negativa.

As perdas não se limitaram à tecnologia, no entanto. Os metais básicos também foram vendidos de forma acentuada. Os futuros de cobre caíram quase 5% para negociar abaixo de US$ 4 a libra, enquanto os futuros de níquel em Londres perderam 7,5% - ambos refletidos em quedas acentuadas nas ações de mineração listadas na capital britânica.

3. Pedidos de seguro-desemprego e Powell no radar

O crescente desconforto sobre a trajetória das taxas de juros deve ser o foco do discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, às 14h05, horário de Brasília. Essa será a última aparição programada antes do período de silêncio que antecede a reunião de política monetária da autarquia.

Nenhum dos membros mais influentes do Fomc, o comitê de política monetária, sinalizou qualquer preocupação real sobre os rendimentos dos títulos até agora em seus comentários públicos, focando mais na fraqueza subjacente do mercado de trabalho.

O que também deve ser demonstrado novamente com a publicação dos dados de seguro-desemprego americanos da última semana. Os analistas esperam um aumento modesto nas reivindicações iniciais para 750.000. Os dados de pedidos de produtos de fábrica dos EUA para fevereiro são divulgados ao mesmo tempo.

4. Liquidação de ações deve continuar

Os índices americanos devem estender as perdas de quarta-feira quando reabrirem mais tarde, com novos temores de que um aumento nas taxas de juros possam minar as teses muito otimistas para algumas empresas, especialmente no setor de tecnologia.

Às 9h40, os futuros do Dow Jones, do {8839|S&P 500}} e do Nasdaq 100 caíam respectivamente 0,15%, 0,27% e 0,34%. Tesla (NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34), Apple (NASDAQ:AAPL) (SA:AAPL34), Nvidia (NASDAQ:NVDA) (SA:NVDC34), Microsoft (NASDAQ:MSFT) (SA:MSFT34) e as ações da AMD (NASDAQ:AMD) (SA:A1MD34) recuavam no pré-mercado.

5. Opep+ se reúne para definir a produção de abril

Os maiores exportadores de petróleo do mundo estabelecerão as cotas de produção para abril, quebrando a tradição de não divulgar as intenções com muita antecedência. A pré-reunião do comitê de monitoramento de mercado da Opep terminou sem uma recomendação formal aos ministros, que começarão a discutir um acordo às 10h.

Os analistas sugerem que um aumento líquido na produção inferior a 1,5 milhão de barris por dia terá um efeito altista para os preços, argumentando que a demanda global se recuperou o suficiente para absorver a oferta extra. A grande incógnita é a rapidez com que a Arábia Saudita vai desfazer o corte de 1 milhão de barris diários que fez unilateralmente em fevereiro e março.

Os preços do petróleo avançavam após recuar no início da manhã, com o WTI subindo 0,13%, a US$ 61,36 o barril, enquanto o petróleo Brent tinha alta de 0,19%, para US$ 64,19 o barril.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: