sábado, 04 de dezembro de 2021
Radar financeiro

Destaques: clima ameno na política brasileira e alta dos impostos nos EUA

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 1º de abril

01 abril 2021 - 09h15Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Carolina Siedschlag, da Investing.com - O clima tenso do início da semana no Brasil, após a dança das cadeiras nos ministérios, perde um pouco do impacto no pregão antes do feriado de Páscoa.

Os rendimentos do dólar e dos títulos dos EUA caem depois que o presidente Joe Biden delineia planos para aumentar os impostos corporativos e gastar em infraestrutura. Os pedidos de seguro-desemprego do país dão alguma direção da economia.

A Microsoft (NASDAQ: MSFT) recebe um pedido de US$ 22 bilhões do exército americano, enquanto a Taiwan Semiconductor Manufacturing está gastando US$ 100 bilhões para consertar a escassez mundial de chips. A OPEP se reúne com a Rússia e outros países para definir a política de produção para maio.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 1º de abril.

1. Clima ameno

O dia deve ser menos turbulento para os ativos brasileiros, com investidores seguindo o exterior, após o anúncio de novo pacote trilionário do presidente americano Joe Biden, além do clima político amenizado após a turbulência ministerial do início da semana.

Ontem, em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro anunciou o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial para 45,6 milhões de pessoas, a partir da próxima terça-feira (6). O valor será de R$ 250.

Já o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez um apelo para que a população evite aglomerações, usem máscaras e mantenham o distanciamento social para evitar o aumento dos casos de Covid-19 durante o feriado da Semana Santa.

Enquanto isso, o novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, reforçou que as Forças Armadas se mantêm fiéis a seus compromissos constitucionais como a garantia da democracia, ao anunciar os novos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, trocados por desacordos com Bolsonaro.

Perto das 09h20, o EWZ, principal ETF brasileiro negociado no exterior, tinha alta de 0,36% na pré-abertura em Nova York.

2. Dólar, rendimentos de títulos caem após Biden sinalizar aumento de impostos para financiar planos de gastos

O dólar americano caiu das altas recentes, com os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA recuando paralelamente, depois que o presidente Joe Biden sinalizou a intenção de aumentar o imposto de renda corporativo para 28% no médio prazo para ajudar a financiar parte dos US$ 2,25 trilhões em planos de gastos com infraestrutura.

Os planos fiscais de Biden também incluem um aumento na alíquota tributária aplicada aos ganhos estrangeiros de 10% para 21%, algo que afetará desproporcionalmente algumas das maiores empresas dos EUA, como a Apple (NASDAQ:AAPL) (SA:AAPL34) e o Facebook (NASDAQ:FB) (SA:FBOK34).

Os planos enfrentarão oposição dos republicanos do Senado, mas podem evitar uma disputa potencialmente cara com a Europa, que preparou uma série de 'taxas de serviço digital' para empresas de Internet depois que o governo Trump abandonou efetivamente um projeto internacional que trabalhava em uma nova estrutura para a tributação de empresas multinacionais.

Após o salto nas contratações privadas relatado pela ADP na quarta-feira, os números dos pedidos de seguro-desemprego da semana vão lançar mais luz sobre a rapidez com que o mercado de trabalho americano está se curando, à medida que estados e cidades suspendem as restrições aos negócios e reuniões sociais.

Os analistas esperam que pedidos iniciais de seguro-desemprego tenha caído para 680.000 na semana passada, em relação à baixa pós-pandemia da semana anterior de 684.000.

3. Ações devem abrir em alta, com tecnologia de volta

Os mercados de ações dos EUA devem começar o novo trimestre de maneira positiva, com o setor de tecnologia voltando a ser favorável à medida que as taxas de juros de longo prazo diminuem.

Às 09h20, horário de Brasília, os futuros do Dow Jones, do S&P 500 futuros e do Nasdaq 100 futuros subiam 0,10%, 0,37% e 1,10%, respectivamente.

As ações em foco mais tarde provavelmente incluirão a Microsoft (SA:MSFT34), na esteira de sua obtenção de um contrato de 10 anos de US$ 22 bilhões do exército dos EUA para headsets de realidade aumentada baseados na tecnologia HoloLens.

Também em foco estará a Discovery (NASDAQ:DISCB) (SA:DCVY35), cuja ação classe B subiu 82% em um dos tremores secundários da venda de Archegos na quarta-feira, e a Alphabet (NASDAQ:GOOGL) (SA:GOGL34), cuja unidade do Google disse à equipe que deseja começar a trazê-los de volta ao escritório este mês. A operadora de cruzeiro Carnival (LON:CCL) (SA:C1CL34) divulga resultado antes da abertura.

4. TSMC gastará US$ 100 bilhões na expansão da capacidade

A Taiwan Semiconductor Manufacturing (SA:TSMC34) disse que planeja gastar US$ 100 bilhões nos próximos três anos para expandir sua capacidade de fabricação de chips, a resposta mais dramática até então para a escassez global de semicondutores que tem pressionado os fabricantes em todo o mundo este ano.

A empresa já havia planejado gastar US$ 28 bilhões este ano no desenvolvimento de capacidade para atender a um aumento sustentado na demanda devido à crescente automação da vida e à disseminação da tecnologia 5G. Esse aumento, combinado com os efeitos de uma pandemia que acelerou a demanda por produtos de alta tecnologia de todos os tipos, está forçando as montadoras e outros a paralisar a produção.

A TSMC também disse que suspenderia os cortes de preços de seus wafers de silício por um ano a partir de 2022. As ações da TSM (NYSE:TSM) subiam 2,8% no pré-mercado, enquanto os preços das ações de seus fornecedores, como os holandeses baseado em ASML (AS:ASML), saltaram no comércio asiático e europeu.

5. OPEP+ decide sobre produção

Um dia após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo se reunir para coordenar sua posição, os maiores produtores do mundo se reunirão novamente para decidir sobre os níveis de produção para maio.

A Reuters informou que a reunião deve discutir duas opções: uma seria congelar a produção nos níveis atuais e outra seria aumentá-la em 500 mil barris por dia. A Rússia e o Cazaquistão, que não são membros da OPEP, apoiam a última opção, enquanto a Arábia Saudita e outros membros da OPEP preferem a primeira.

A reunião está programada para começar às 10h, horário de Brasília.

Perto das 8h39, os futuros do WTI subiam 0,47%, a US$ 59,44, enquanto o Brent avançava 0,38%, a US$ 62,98 o barril.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content