Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
Leilão da Aneel

BTG: Leilão de energia tem propostas agressivas, mas setor vê crescimento limitado

18 dezembro 2020 - 19h21Por Investing.com

Por Ana Carolina Siedschlag, da Investing.com - Os analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11) apontaram que o leilão de transmissão de energia elétrica desta quinta-feira (17) teve propostas “agressivas”, com as companhias vencedoras se beneficiando de despesas de capitais, ou Capex, menores, melhores alternativas de financiamento e de oportunidades de iniciarem as operações mais cedo.

No entanto, segundo os analistas, em relatório, mesmo com a forte competição, os investidores se mostram mais apreensivos com as projeções de crescimento do setor.

Em relação à distribuição, o banco de investimentos aponta que os ativos mais relevantes já foram vendidos e que os restantes foram ganhos com ofertas bem agressivas. Em relação aos de geração, o crescimento deve ser encabeçado por ativos de energia renováveis, que, nos últimos anos, não teve leilões consideráveis.

Já para o segmento de transmissão, os analistas apontam que a competição se manteve intensa, o que deve restringir o crescimento via expansão de empreendimentos já existentes.

Sobre o leilão

O leilão de transmissão de energia elétrica realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), teve um deságio médio de 55,24% ante a Receita Anual Permitida (RAP) total estimada de R$ 1,02 bilhão, e contou com a participação de 55 empresas, sendo 37 nacionais e outras 18 estrangeiras de dez países.

Segundo o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, o nível de competição do certame e a participação de grupos estrangeiros, são frutos do trabalho da agência e do governo, na criação de um cenário regulatório seguro para receber investimentos.

Ele também destacou a atuação técnica do órgão para tornar o ambiente de negócios previsível e estável. "Foram elementos decisivos para que as empresas pudessem realizar investimentos de longo prazo", comentou.

A média de ofertas por lote foi de 13,5 empresas, sendo que o lote com menor número de participantes foi disputado por nove empresas, e o de maior competição contou com 19 proponentes.

Pepitone também destacou que o leilão deve alavancar investimentos de R$ 7,3 bilhões para a construção dos empreendimentos. Segundo ele, o leilão permitirá a construção de 16 linhas de transmissão e 12 subestações.

No entanto, o valor de investimentos estimado pela Aneel pode variar, uma vez que após as companhias que vencem essas disputas costumam procurar eficiências e oportunidades de redução de custos com as obras, como meio de otimizar os investimentos e aumentar a lucratividade do ativo.

"Confirma o grande interesse da iniciativa privada, e o setor elétrico se consolida na rota dos investimentos nacionais e internacionais", comentou Pepitone.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: