Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Dica de ouro: aprenda a investir no metal com planejamento financeiro

14 abril 2020 - 08h44
Dica de ouro: aprenda a investir no metal com planejamento financeiro
Investir em ouro é uma discussão que ganha força em momentos de crise. O senso comum dos investidores é de que o metal representa uma proteção aos investimentos em bolsa, uma vez que possui um comportamento oposto aos principais índices do mercado de ações. Veja que essa busca por segurança nos investimentos é similar à proteção que um jovem procura, no início da sua vida profissional, quando contrata um seguro por invalidez. Ou quando os pais contratam um seguro de vida para assegurar um padrão de vida (ou uma herança) aos filhos. Se você prestar atenção no que está por trás das estratégias mostradas acima, perceberá que em ambas se paga um prêmio para que tudo esteja protegido se as coisas saírem do controle. Mas a expectativa verdadeira é de que nada aconteça. O ouro é uma commodity negociada na bolsa de valores (B3), com liquidação física ou financeira, à vista ou por meio de contratos derivativos. O preço é determinado em dólar, por isso serve como reserva de valor durável e possui liquidez internacional. Como investir em ouro
  • Você pode comprar o ouro físico, em barras, por meio de instituições autorizadas pelo Banco Central, que comercializam diretamente para pessoas físicas. O ativo poderá ser guardado em cofres pessoais ou no seu banco de relacionamento. Aqui, vale lembrar que essa opção é arriscada (nem todos os cofres são segurados) e com menor liquidez;
  • Com contratos derivativos na bolsa de valores, o ouro é negociado nas modalidades de Futuros, Opções e a Termo. Nesse investimento, você irá determinar, na data da contratação, o preço futuro do ativo, e poderá exercer os contratos caso queira receber o ouro físico, ou desfazer as posições antes do vencimento para especular sobre a variação de preços;
  • Outra alternativa são os fundos de investimentos em ouro. Classificados como multimercado pela Anbima, já existem diversos fundos que investem em ouro, alguns atrelados ao dólar (para proteger o preço em casos de variação cambial) e outros não. Para saber mais, basta procurar pelo ativo na sua plataforma de investimentos. Alguns exemplos de produtos são os da Órama, Vitreo, BTG e XP.
Quanto o metal deve representar do seu portfólio Observe que em todas as opções mostradas acima, uma coisa é certa: você nunca saberá o preço do ouro até vendê-lo. Essa é a principal característica de uma renda variável, e por isso o percentual que o metal deve ter na sua carteira é uma fração do percentual recomendado em renda variável. Nos questionários de perfil de risco, feitos por todas as corretoras e ignorados por grande parte dos investidores, é indicada uma distribuição entre ativos de renda fixa, renda variável e outras alocações, determinada de acordo com a tolerância ao risco, conhecimento de mercado e prazo do investimento. Esse é um bom direcionador para que você tome a decisão do quanto irá investir em ouro. Para ter uma recomendação específica, é sempre indicado consultar um profissional do mercado financeiro, especialista em planejamento ou investimentos.

É importante você saber

O investimento em ouro é recomendado para tipos específicos de investidores, aqueles que tenham alta exposição em renda variável. significa É um investimento de longo prazo, para clientes que já tenham a reserva de emergência e sejam tolerantes ao risco. Quando você decide fazer um investimento, não basta escolher um ativo e comprar. Você precisa, no mínimo, decidir qual é o resultado esperado com essa decisão. Será igual ao CDI? Será algum percentual superior ao CDI? Quanto? Será IPCA+? Quanto? Na composição da estratégia de investimentos, o metal tende a reduzir as potenciais máximas de retorno da carteira. Ele é eficiente na proteção dos riscos de mercado, sistemáticos e não diversificáveis. Ou seja, é um bom investimento durante as grandes crises, como a que vivemos atualmente com o Covid-19. Para os demais momentos da economia, os riscos diversificáveis podem ser mitigados com alternativas mais eficientes. Como a escolha de ativos não correlacionados ou com correlação inversa para compor a carteira. Investimentos em opções e em dólar para estratégias que replicam o índice Bovespa, podem trazer melhores resultados do que a aposta em ouro.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: