sexta, 19 de abril de 2024
Negócios com PropósitoCOLUNA

Negócios com Propósito

Daniela Zuccolotto

Comunicadora social e publicitária, com extensão em Marketing e Pesquisa pela Universidade de Berkeley, Califórnia, e pós-graduação em Ciências Humanas pela PUC RS. Consultora de Branding & Business e de Gestão do Conhecimento. Founder e CEO da Middle-us – consultoria em Gestão da Longevidade e Diversidade Geracional para empresas.

Pequenos gigantes

Seis razões para valorizar os negócios locais

22 novembro 2023 - 15h00
Pequenos gigantes

As micro e pequenas empresas (MPEs) desempenham um papel fundamental nas economias em todo o mundo. Elas são reconhecidas por sua contribuição significativa para o crescimento econômico, a geração de empregos, a inovação e o desenvolvimento social.


Geração de emprego

No Brasil, em 2022, segundo levantamento do Sebrae feito com base nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), a participação dos pequenos negócios no total de empregos gerados foi de 78,4%. Isso significa que praticamente 8 de cada 10 vagas CLT foram criadas por eles. Em 2023, o feito parece se repetir: o percentual de empregos gerados até setembro pelas MPEs foi de mais de 71%.

 

Motor da economia

Emprego gera renda, que gera consumo, impulsionando a economia. Trinta por cento do PIB brasileiro é gerado pelas micro e pequenas empresas. Apesar de seu tamanho relativamente pequeno quando analisadas individualmente, o conjunto dos milhares de pequenos negócios no Brasil contribuem de forma substancial para a atividade econômica do país, gerando renda para milhões de famílias e inserindo-as no mercado de consumo.


Inovação

É muito comum associarmos as pequenas e médias empresas com a capacidade de flexibilidade e adaptabilidade. Isso porque, com estruturas organizacionais mais enxutas e mais horizontais, elas respondem mais rapidamente às necessidades de mudanças, seja por condições econômicas ou por demandas do mercado. 

Olivier Woeffray, líder da inteligência estratégica do Fórum Econômico Mundial, diz que a adaptabilidade é uma soma de resiliência com agilidade, habilidades que ele enxerga nos pequenos negócios. A resiliência vem da capacidade de resistir, se recuperar e se adaptar após enfrentar desafios, crises ou mudanças inesperadas. Absorver impactos, aprender com as dificuldades e se fortalecer diante delas.

Isto combinado com tomadas de decisões mais ágeis e eficazes, incrementa a possibilidade de inovação e relevância em um ambiente em constante evolução.


Celeiro regional

Como impulsionadores da economia local, os MPEs são essenciais para o desenvolvimento de suas comunidades e precisam ser incentivados em todos os estados. Hoje, porém, eles ainda estão muito concentrados: a região Sudeste reúne metade dos pequenos negócios de todo o Brasil (51%), seguido pelo Sul (19%), Nordeste (17%), Centro-Oeste (9%) e Norte (7%), com destaque para os setores de serviços e comércio. É essencial que políticas públicas e estratégias empresariais considerem o apoio contínuo às MPEs, fornecendo acesso a recursos, financiamento, capacitação e um ambiente regulatório favorável.

Investir no crescimento e na sustentabilidade das micro e pequenas empresas traz impactos positivos significativos para a sociedade como um todo.

Além de estimularem o comércio local, fortalecem a comunidade e ajudam a diminuir as desigualdades regionais, gerando emprego e promovendo a inclusão social. Segundo a ONU, essas empresas foram identificadas como um dos principais impulsionadores da redução da pobreza e do desenvolvimento.


Diversidade econômica

A presença de uma grande variedade de MPEs em diversos setores contribui para a diversificação econômica. Isso torna a economia menos dependente de um único setor ou de poucas grandes empresas, o que ajuda a mitigar os impactos adversos em momentos de crise, aumentando a resiliência e a capacidade de recuperação. 

Isso porque, com vários setores contribuindo para a economia, os riscos são distribuídos. Se um setor enfrenta dificuldades, outros podem continuar a prosperar, acelerando a retomada do crescimento.


Fomento ao empreendedorismo 

Por último, e não menos importante, as MPEs são frequentemente um ponto de partida para empreendedores iniciantes, que veem na possibilidade de abrir um negócio, a alternativa para obterem renda em um país com alto índice de desemprego, ou a possibilidade de realizarem seu propósito e conquistarem autonomia. No Brasil, o sonho do empreendedorismo cresce ano após ano: o último dado do relatório da GEM (Global Entrepreneurship Monitor) 2022, revelou que 53% da população tem interesse em abrir seu próprio negócio. 

Com requisitos de capital inicial menores, na maioria dos casos, e processos menos complexos, as MPEs representam uma plataforma para indivíduos com ideias inovadoras começarem algo novo, aprenderem sobre empreender, exercitarem inovação e criatividade e testarem novas ideias em escalas menores, que podem se tornar, com o tempo, grandes negócios!

 

A opinião e as informações contidas neste artigo são responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a visão da SpaceMoney.