segunda, 06 de dezembro de 2021
Finanças em famíliaCOLUNA

Finanças em família

Carol Stange

Educadora em finanças pessoais e criadora da marca “Como enriquecer seu Filho”.

Como parar de gastar dinheiro com supérfluos e fazer sobrar para investir!

Para te ajudar a realizar essas e outras vontades, separei aqui cinco dicas fáceis e práticas que certamente te mostrarão os melhores caminhos para fechar o mês no positivo e com sobra de caixa. 

10 dezembro 2020 - 14h55
Como parar de gastar dinheiro com supérfluos e fazer sobrar para investir!

Relaxar vendo o mar do Caribe, ter mais conforto no dia a dia ao dirigir um carro melhor, poder reformar a casa, ter a opção de largar o crachá e ser dono do próprio negócio ou, ainda, ficar finalmente livre daquela dívida antiga que até hoje incomoda... Quanta coisa bacana daria para fazer com mais dinheiro no bolso, não? 

Para te ajudar a realizar essas e outras vontades, separei aqui cinco dicas fáceis e práticas que certamente te mostrarão os melhores caminhos para fechar o mês no positivo e com sobra de caixa. 

1. Faça listas 

Listas para tudo, sem medo. Supermercado, shopping, farmácia, padaria. Sair para fazer compras sem uma lista é abrir caminho para gastos extras ou desnecessários. 
Já que falamos em supermercado, não sei se você já percebeu, mas toda a estrutura desse tipo de loja é projetada para que passemos por milhares de produtos que não estamos pensando em comprar até chegar ao que precisamos. É por isso que itens essenciais como açúcar, pão ou leite estão em corredores longe dos caixas. 
Quem sabe não enchemos o carrinho com as guloseimas que estão expostas ao longo do caminho? Tudo é pensado para nos impulsionar a gastar mais: do chão escorregadio, que nos obriga a andar mais devagar, até a música ambiente lenta e sem começos ou fins marcados, que nos faz perder a noção no tempo.

Outros produtos estão estrategicamente colocados em prateleiras mais baixas, assim ficam aos olhos dos consumidores-mirins.

2. Anote tudo

Só controlamos o que conhecemos. Portanto, aguente firme e nada de muxoxo nessa hora. Você pode escolher a ferramenta que mais gostar e tanto faz se será um caderno, app ou planilha.

O importante é que você saiba exatamente para onde seu dinheiro está indo. Ao anotar seus gastos, você terá uma visão clara sobre seus hábitos de consumo, conseguirá descobrir determinados padrões na hora das compras e ainda evitará chegar ao final do mês com aquela sensação de susto, de "como assim, gastei tudo isso?". 

E sinta-se acolhido nessa tarefa. Eu sei que anotar os gastos não é uma atividade digamos, emocionante, mas sem dúvidas é essencial nessa tomada de controle financeiro.

3. Aprenda a fazer 

Aprender a fazer as unhas, a cuidar do cabelo em casa, a cozinhar em vez de pedir comida e a fazer a manutenção da casa sem chamar um profissional específico para isso (pelo menos por um tempo), vai ajudar a sobrar dinheiro no final do mês.

Para reforçar sobre como é possível economizar de verdade ao "aprender a fazer", trago aqui o conceito DIY, que significa "do it yourself" (ou faça você mesmo, em tradução livre). O DIY pode ser encarado como um estilo de vida mais simples e criativo, no qual as pessoas são incentivadas a criar objetos, móveis, reformar ambientes e a fazer pequenos consertos de uma forma mais independente, sustentável e econômica.

Um motivo nobre como o de ter seus sonhos realizados merece esse esforço de aprender a fazer coisas novas, certo?

4. Cancele e-mails de lojas e notificações de celular

Não morda essa isca! E-mail contando da promoção? Aplicativo avisando do frete grátis? Melhor ignorar as notificações e mensagens que só tem a intenção de te fazer gastar nesse momento.

Separei alguns dados interessantes para você entender o impacto que um e-mail de vendas pode causar nas suas finanças:

• Consumidores que compram produtos promovidos por meio de e-mail marketing gastam 138% mais que consumidores que não recebem ofertas por email (fonte: Convince&Convert);

• 44% dos destinatários de e-mail realizam ao menos uma compra por ano com base em um e-mail promocional — (fonte: Convince&Convert)

Promoções, produtos interessantes e "ofertas imperdíveis" sempre vão existir e tudo bem abrir mão delas por algum tempo.

5. Espere três dias antes de comprar

Sim, espere três longos dias. Esse é um bom prazo para que você possa avaliar com calma se essa compra é necessária e se as condições realmente são vantajosas. Se depois desse período você ainda quiser e precisar do item, tire o dinheiro ou o cartão do bolso com a tranquilidade de quem está fazendo uma boa aquisição.

Você também pode unir essa Técnica dos 3 Dias às “Perguntas de Ouro”, que têm como objetivo trazer à tona o lado racional no momento da compra: 

1. Eu realmente quero isso? 
2. Eu realmente preciso disso? 
3. Eu realmente posso comprar isso? 
4. Eu devo comprar isso? 

Se você quer fazer sobrar dinheiro no final do mês, lembre sempre do seu porquê. Quais são os motivos que fazem seus olhos brilharem? Viver experiências, ter mais conforto e sair das dívidas são alguns dos mais relevantes em geral.

Eu sempre digo que, nas finanças pessoais, nenhum esforço é em vão. Siga em frente!

Vale a pena cuidar do seu dinheiro e você merece realizar seus desejos.

 Um beijo e vejo você no próximo conteúdo sobre finanças pessoais.

Até mais!

A opinião e as informações contidas neste artigo são responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a visão da SpaceMoney.

Leia outros artigos de Carol Stange:

 

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content